Uma boa rede doméstica de wifi é indispensável

Não há mais dúvidas de que ter uma boa rede doméstica é indispensável para usufruir de todas as funções que os novos equipamentos eletrônicos oferecem. Com a popularização dos smartphones e tablets, aliado a capacidade que Smart TVs, sistemas de home theater, Blu-ray players, docks e caixas acústicas têm de se conectar a internet, é fundamental ter uma boa infraestrutura de rede para que todos esses equipamentos se conectem de forma eficiente

Corte interferências

Thinkstock

Muitas coisas podem afetar seu sinal de wifi . Mas qualquer cabo elétrico pode ter um impacto negativo se estiver no caminho, assim como portas de metal, parafusos, água (aquários, por exemplo), espelhos, lâmpadas de halogêneo, gaveteiros de arquivos, tijolo, vidro e concreto.

Qualquer coisa que afete a força do sinal é chamada atenuação (só para você saber).

Internet-en-casa

Dica importante :Atualize seu software

Garanta que seu roteador tem as últimas atualizações. O software é constantemente atualizado e os celulares e laptops mais modernos vão se conectar a velocidades mais altas com um sinal mais forte de wifi. Mas mais importante que isso é a chamada relação sinal-ruído, que determina de fato a velocidade de dados a que o aparelho irá se conectar.

Só porque você vê cinco barras em seu dispositivo, não significa que você tenha alta velocidade garantida.

Caso não dê resultado solicite uma visita de um de nossos consultores. Temos projetos para Redes de Wi-fi em residência ou empresas

 

Saiba como tirar o máximo de proveito do Home Theater

Os Home Theaters estão cada vez mais na casa de todos por conta dos preços mais acessíveis e configurações supermodernas. Separamos algumas dicas para você tirar melhor proveito dessa máquina e poder garantir um som de cinema em casa. Confira!

 

Na hora de comprar: será que é bom usar aparelhos da mesma marca?

Os Home theaters com melhor custo-benefício do mercado são os In-a-box (ou HTB), vulgo “integrados”, cujas caixas de som, o Player e a TV são da mesma marca. Apesar de não garantirem alta qualidade, os conjuntos vendidos por baixo preço conquistam a maior parte de usuários que procuram aliar, o máximo que puderem, a qualidade do som à imagem sem gastar muito dinheiro.

Home theater integrado padrão comum 5.1 com caixas sem fio (Foto: Divulgação/Sony)

No geral, eles cumprem o que prometem, mas não são espetaculares. A verdade é que se pretendes usufruir ao máximo do seu Home Theater é aconselhável ter um Receiver “dedicado” – em outras palavras, fabricado por marcas especializadas – por garantirem uma fidelidade sonora sem igual. Porém, sai um pouco mais caro.

Vantagens do Receiver modular

O Receiver de Home Theater “dedicado”, aparelho responsável por amplificar e distribuir o som, é o mais proveitoso também por permitir que vários equipamentos de marcas diferentes se conectem ao sistema de som, simultaneamente, como Blu-ray player, Videogame, Cable box, Notebook, etc. Receivers como os fabricados pela Denon, Yamaha ou Pioneer têm esse e outros recursos incomparáveis aos dos “integrados”, normalmente produzidos pela Samsung, LG, Panasonic e Philips, por exemplo.

Ter um Receiver modular é uma boa porque é capaz, ainda, de automatizar e transformar o seu Home Theater em “multi-sistem”. Se não tiver Wi-Fi integrado, ele possibilita que a TV tenha conexão direta com a internet que, por sua vez, agrega vários serviços essenciais para o usuário, como acesso à locadoras de filmes online, interação com as redes sociais executa alguns aplicativos na tela e tantos outros conteúdos muito usados. Se o seu aparelho conta com Bluetooth e tecnologia NFC, aproveite e explore melhor os recursos. O primeiro serve para reproduzir arquivos de mídia a partir do smartphone ou tablet, e ativando o segundo basta encostar no equipamento para rodar qualquer conteúdo do celular na TV.

 

Espaço adequado

O espaço onde o Home Theater é montado pode contribuir bastante para que o usuário tenha uma experiência agradável (ou contrária) quando for curtir o cinema caseiro. Elementos como acústica e iluminação inadequadas chegam a interferir diretamente na qualidade do som e da imagem. Para garantir imagens equilibradas escolha um lugar com pouca penetração da luz solar. No quesito som, prefira sempre caixas acústicas para evitar distorções, mesmo se levantar o volume ao máximo. Caso use um retroprojetor, o ideal é que haja menos penetração possível da iluminação solar para não estourar o branco da tela e nem da lâmpada transmissora do equipamento.

Padrão ideal de Home theater “integrado”

Os padrões mais comuns de Home Theaters são: o 5.1 (5 Caixas de som e 1 Subwoofer) e o 7.1 (7 Caixas de som e 1 Subwoofer). Atualmente, entretanto, já se encontra disponível à venda o modelo 7.2, com 1 Subwoofer a mais para proporcionar maior sensação de imersão ao usuário. O Subwoofer é o aparelho que se encarrega pelo grave profundo do som. O padrão 7.2 é ideal para quem deseja ter uma experiência mais intensa assistindo ao filme preferido, ou se optar somente por ouvir música com extrema qualidade.

Home theater 7.2 são os integrados mais potentes disponíveis no mercado (Foto: Divulgação/Sony)

Considerando as configurações técnicas, prefira sistemas integrados que, além dos tradicionais ajustes automáticos, trazem entradas HDMI, compatíveis com sinal 3D; bem como portas USB, que servem para rodar vídeos em HD armazenados em pendrive ou HD externo. São eles que justificam melhor o investimento feito na compra de um Home Theater.

Disposição das Caixas de som

Muitas vezes não damos importância, mas a boa disposição das caixas no ambiente influencia demais na performance geral do sistema de som. Por isso, procure sempre montar o Home Theater com as caixas frontais do lado da TV e as traseiras cada uma em um canto, mas todas posicionadas para o sofá principal – o que fica na frente da TV –, pois desse jeito o som ficará concentrado exatamente onde você estiver sentado, sem distorção, provocando a sensação de estar te colocando no meio da ação do filme por um simples envolvimento com o som.

Nos quesitos potência e tamanho, o Subwoofer deve ficar posicionado lateralmente entre as caixas frontais e traseiras, no chão ou em algum suporte baixinho, para que os graves não abafem o resto da sonoridade. Se as caixas forem do formato de cubo e não as cumpridas, tente sempre pendurar as traseiras para surtir o mesmo efeito das altas. Se os autofalantes forem sem fio, melhor, considerando que não terá problemas com os cabos no meio da sala.

Controles automatizados

Se o modelo do seu Home Theater vem sem o comando automatizado, temos uma solução simples para que você aproveite melhor o seu cinema em casa, sem necessidade de estar se levantando do sofá para realizar certas tarefas. Basta baixar um aplicativo compatível com o seu dispositivo móvel iOS ou Android.

Nem toda mundo possui recursos financeiros suficientes para montar um Home Theater com qualidade sofisticada: quanto mais qualidade, maior o preço. Por isso, aproveite as nossas dicas para deixar a sua pequena sala de cinema com um sistema sonoro de qualidade e por um preço mais em conta.

Que tal som ambiente por toda casa. A smart.touch cuida disso pra você

O segmento de som ambiente no Brasil é diversificado. Uma tendência influenciada pelo mercado americano, já maduro, onde fabricantes e empresas de instalação seguem normas técnicas que preveem projetos de melhor qualidade e capacidade de expansão. Por aqui, ainda não há normas específicas que sirvam de referência para instaladores de som ambiente. Mesmo assim, é só olhar a seção Projetos para ver que é cada vez mais comum a instalação de sistemas multiroom (ou multizonas) por profissionais qualificados, treinados por fabricantes ou distribuidores.

Variam desde sistemas simples, geralmente centrados em um receiver de home theater, ou sofisticados, formados por controlador dedicado e painéis – os keypads. Estes são indicados a quem irá ouvir músicas de rádios on-line na cozinha, de CD player no quarto, de um iPod na varanda… Mas, hoje, multiroom é muito mais do que distribuir músicas em diversas áreas da casa. Significa poder controlar fontes de sinal independentes a partir de tablet ou celular, ou integrá-las à automação e sistemas de distribuição de vídeo de alta definição.

 

LOCAIS PARA O SOM AMBIENTE

Para a melhor instalação e escolha dos equipamentos de som ambiente, é preciso levar em conta o tamanho do espaço e as necessidades da família. A princípio, não é preciso ter amplificador e caixas com alta capacidade de potência, a menos que um dos cômodos ou área externa seja usado para festas. Em geral, 25Wx2 em uma sala de 20m2 já é suficiente para relaxar com um som agradável, enquanto se lê um livro, por exemplo.

CONHEÇA OS PROJETOS DE SOM AMBIENTE DA SMART.TOUCH

A quantidade de caixas de embutir depende das dimensões – largura, pé direito e comprimento – das áreas a serem sonorizadas. Modelos para uso externo (outdoor) são produzidos em ABS selado com tela alumínio e resistem por mais tempo à umidade e ao calor em jardim, varanda e banheiro.

 

OUVIR MÚSICA  RELAXA
Ouvir música suave, em volume baixo, é um hábito saudável para a rotina, mas outros sons também podem atuar em nosso favor nos momentos de estresse. Um dos exercícios é se recolher e procurar ouvir os sons rotineiros, como pingos de chuva, pios de pássaros, sons de celular, o assovio do vento e até os próprios sons internos, como os batimentos cardíacos, por exemplo. Isso ajuda a desacelerar.. Também vale fazer uma playlist com as músicas que remetem a lembranças positivas, de várias fases da sua vida, para ouvir nos momentos difíceis.
Essa playlist especial, segundo musicoterapeutas, também serve como profilaxia ao estresse, principalmente se ouvida com frequência, em horários determinados, pela manhã ou antes de dormir. A música que tem grande significado para quem a escuta provoca um efeito positivo sobre as emoções. Ela gera um bem-estar momentâneo, mas que acaba se prolongando por um bom tempo depois. É o que chamamos de efeito residual. São muitos os motivos para praticar essa verdadeira terapia. De preferência, em baixo e bom som.

Garanta um home theater com som impecável

Para garantir um home theater com som impecável, os mais empolgados por áudio devem prestar atenção na devida calibração do equipamento, configurando o volume e o atraso (delay, do inglês) do som em cada uma das caixas caixa.

Na hora de instalar o equipamento, note que cada caixa tem uma distância diferente em relação ao lugar onde você está (o sweet spot, como vimos anteriormente). Então, o ideal é calcular essas distâncias para que todos os sons cheguem até você ao mesmo tempo.

Infelizmente, a maioria dos kits de áudio para computador não possui tantos recursos. Em home theaters mais caprichados, por exemplo, o usuário toma como base o “pink noise” (ruído rosa), para ajustar o volume de cada caixa. Quando todas as caixas reproduzirem o ruído com o mesmo volume, tudo estará calibrado. Simples assim.

Também existem aparelhos específicos para medir a pressão sonora, que podem ser utilizados no seu ambiente doméstico e adquiridos em lojas especializadas. Eles ajudam a calibrar o volume com mais precisão.

Agora, se o mantra é economizar, o jeito é apelar para recursos bem simples na hora da calibragem.

Para ajustar o delay, por exemplo, você pode usar uma trena comum mesmo, dessas que se tem em casa. Com ela, é só medir a distância entre cada caixa e o ponto onde você vai ficar (sweet spot) para calcular o atraso.

 

Por usar o sistema americano, a medição mais precisa do delay é feita em pés, não em metros. Um pé representa 30,5 centímetros. Cada pé equivale a 1 milissegundo (ms) de atraso. Ou seja, seis pés de distância do sweet spot significam 6 ms de atraso.

E para saber quanto de atraso seria o ideal, é preciso consultar as especificações técnicas das suas caixas acústicas. A maioria dos equipamentos de hoje trabalham com o delay fixado em 5, 10 ou 15 ms.

Se o seu quarto/escritório do PC for pequeno, não adianta perder tempo com ajustes avançados de calibração e atraso, porque física é física. Preste mais atenção no congestionamento de fios e nos suportes das caixas traseiras, que irão fazer bem mais diferença

Amplificador ou Receiver?

Uma dúvida muito comum entre as pessoas que buscam um sistema de som é se deve comprar um Receiver ou um Amplificador para o seu projeto. E não há vergonha nenhuma em ter essa dúvida. Como se vê, não é tão básico e a indústria do áudio não faz um bom trabalho em deixar a resposta clara. Por isso, decidimos montar um breve guia para demonstrar quando usar um amplificador e quando usar um receiver. Para você tirar o melhor proveito do mundo do áudio!

 

O que é um Amplificador?

amplificador de audio para zonas

Vamos começar com a parte simples. Um amplificador é um componente do seu sistema de som que não apenas alimenta os alto-falantes, mas permite selecionar a fonte de som e controlar o volume. Na sua forma mais simples, um amplificador estéreo lida com dois canais, o esquerdo e o direito, os quais compõem o áudio que você ouve.

Uma observação importante a ser lembrada é que os amplificadores são projetados para alimentar alto-falantes passivos (alto-falantes que recebem energia do próprio amplificador e não estão conectados a nenhuma fonte de energia elétrica). Você não precisaria conectar um amplificador aos alto-falantes ativos. Eles também são conhecidos como alto-falantes amplificados, porque cada um deles já têm um amplificador interno conectado.

 

O que é um Receiver?

melhor receiver 2020 denon preto

Um receiver é pode ser descrito como um super amplificador com. Em vez dos dois canais habituais encontrados em um amplificador comum, um receptor pode emitir áudio em cinco, sete, 11 ou até 13 canais diferentes. Ele também tem a capacidade de lidar com dados de vídeo, através de uma conexão HDMI. A aparência do receiver é similar ao amplificador, no entanto o receiver custuma ser maior que o amplificador. A diferença vem da quantidade de energia que ele oferece, do número de canais e do alcance absoluto de recursos. É muito mais provável que os receivers ofereçam recursos como correção de ambiente, integração com assistentes de voz, aplicativos, Bluetooth, funcionalidade sem fio e muito mais.

Com tudo isso, você espera que os receivers sejam mais caros que os amplificadores comuns, certo? Errado. Você pode ter amplificadores estéreo estupendamente caros e receptores muito baratos. O preço que você paga não é o número de canais de saída, que são muito simples de serem adicionados pelos fabricantes, mas a qualidade geral do áudio, a qualidade dos componentes internos e a funcionalidade do receiver.

 

Quando usar um Receiver e Quando usar um Amplificador

Até agora, você provavelmente já adivinhou as situações em que o uso de um desses tipos de amplificadores seria apropriado. Se você deseja criar apenas uma configuração estéreo, com dois alto-falantes e talvez um subwoofer, você deve usar um amplificador estéreo. Isso ocorre porque você realmente não precisa de mais de dois canais. Se, no entanto, você desejar criar uma configuração de entretenimento doméstico, que permita assistir a filmes ou séries com som surround, um receiver é mais apropriado. Você precisará de mais alto-falantes para esta configuração e, portanto, precisará de mais canais para alimentá-los. Nesse caso, um amplificador estéreo é inadequado para fazer um cinema em casa.

Outra necessidade de muitas pessoas é sonorizar diversos ambientes da casa como, por exemplo, sala de jantar, varanda gourmet e piscina. Para isso é utilizado um amplificador, pois não há necessidade do processamento de vídeo do receiver. Além disso, o amplificador permite controlar as zonas individualmente.