BLOG

Saiba como deve ser o ar-condicionado no Home Theater

Assistir a um filme ou uma série em uma sala abafada torna a experiência cansativa e até desagradável. Quem está começando a montar um home theater e não abre mão de um bom clima no ambiente, saiba que o melhor local para a instalação do ar-condicionado é aquele em que ninguém nota a sua presença. Em outras palavras, que não sinta a ventilação atingindo diretamente o seu corpo e principalmente não ouça o ruído do aparelho. E caso o seu projeto contemple o projetor, a tela quando rebaixada não pode ser alvo do fluxo de ar.

Verifique com o técnico o quão distante poderá ficar a unidade condensadora na parte externa do ambiente, bem como eventuais dificuldades de passagem da tubulação. Estude com o profissional a instalação de uma tomada exclusiva, direto do quadro, próximo de onde ficará a unidade evaporizadora. Essa peça interna poderá ficar a uma altura entre 1m80 e 2m20, dependendo do modelo, e a uma distância mínima de 0,50m de qualquer parede.

E finalmente procure instalar o evaporizador o mais centralizado possível, voltado para a maior área da sala. Pode ficar no teto ou em uma das paredes laterais, mas distante da tela de projeção. Muitos instaladores fixam o evaporizador na parte traseira e pode ser interessante, caso a sala tenha um bom comprimento. Mas se não for o caso, nessa posição, provavelmente os espectadores no sofá ficarão com a cabeça “congelada”, tendo que programar o aparelho para um modo menos frio ou ligar e desligar a todo instante.

Caixas de som embutidas para ambientes

Práticas e charmosas, as caixas de embutir são imbatíveis no que se refere à discrição, permitindo a instalação de um sistema 7.1 sem que nenhum produto do gênero fique à vista. Também estão disponíveis em várias opções de formatos (podem ser redondas, quadradas ou retangulares) e com diversas cores e acabamentos.

Com a entrada dos fabricantes nacionais e a redução dos preços, o mercado de caixas de embutir está bem aquecido. Nos últimos dois a três anos, os custos caíram de 10% a 15% e, hoje, o usuário encontra modelos para as mais diversas aplicações.

Neste segmento, há as caixas de parede, chamadas de in-wall, e as de teto (in-ceiling). Quase todas aceitam os dois tipos de posicionamento, embora a maioria dos projetistas/usuários prefira embutir as caixas no forro de gesso. Muito tradicional nas residências estadunidenses, a instalação em parede é pouco explorada no Brasil. O motivo é a dificuldade de encontrar paredes de dry-wall (gesso acartonado), que são ideais para receber os modelos in-wall.

 

EXIGÊNCIAS

Mas será que as caixas de embutir são todas iguais? A resposta é “não”! Em primeiro lugar, não se pode esperar que caixas de embutir apresentem o mesmo rendimento dos modelos tradicionais. Por outro, se o forro de gesso estiver bem estruturado (medida que evita vibrações) e os canais, posicionados corretamente, elas tocarão muito bem.

As exigências também são diferentes. Em geral, as caixas de embutir são mais utilizadas em som ambiente e nos canais surround dos sistemas de home theater. Caixas embutidas para som ambiente precisam ter elevada sensibilidade, para que possam tocar mais alto quando alimentadas por um receiver de potência reduzida. É comum aproveitar o receiver do próprio home theater para abastecer um par (ou até dois) de caixas de multi-room. E, nesse caso, contar com caixas de maior sensibilidade ajuda a aumentar o rendimento sonoro, inclusive nas áreas externas, como jardins e varandas. Nos projetos em que há um amplificador ou receiver exclusivo para o som ambiente, a preocupação com a sensibilidade não é tão intensa.

Quando assumem o papel de canais surround, os modelos de embutir precisam ter outras qualidades. O mais importante é que acompanhem o mesmo timbre das caixas frontais. Embora a maioria das caixas seja criada a partir de princípios técnicos semelhantes, o design, a construção e os componentes internos variam de acordo com o fabricante. Para que a reprodução do áudio seja sempre homogênea e agradável, todas devem ter a mesma sonoridade (ou timbre). Na dúvida, lembre-se de que fica mais fácil preservar a assinatura musical do conjunto se todas as caixas forem da mesma marca e, de preferência, da mesma série.

 

MODELOS ESPECIAIS

Mas há projetos em que o proprietário faz questão de deixar todas as caixas escondidas, inclusive as frontais. Para esses casos, surgiram algumas caixas embutidas especiais, como as anguladas, pivotantes e motorizadas. Graças a um ajuste mecânico, algumas fabricantes produzem caixas com painel frontal inclinado que podem ser posicionadas no teto, mantendo ângulos de 14º a 45º. Tal regulagem permite um melhor direcionamento do áudio para os ouvintes em salas de diferentes tamanhos. Em ambientes pequenos (um quarto ou cozinha, por exemplo), a caixa frontal angulada de embutir deve ficar bem inclinada, característica que deixa o som mais direcional.

Nas pivotantes, o painel da caixa fica instalado no próprio forro de gesso. Nesse caso, quem se movimenta são os falantes. Em geral, o tweeter também pivota, mas o mercado ainda oferece modelos em que o woofer também pode ser direcionado para a posição de audição. E no topo da pirâmide estão as caixas motorizadas são acionadas eletricamente. A seguir, listamos para o leitor os tipos de caixas encontradas no mercado:

Fixas tradicionais

São indicadas para som ambiente e para os canais surround. Diferentemente do que acontece com as frontais, o som reproduzido pelas caixas traseiras não precisa chegar diretamente aos ouvidos do espectador. Precisa apenas realçar a sensação de envolvimento no ambiente. Então, a dica é posicionar as caixas de embutir tradicionais no forro de gesso a cerca de 1m80 do piso (e com os falantes voltados para baixo).

Com painel angulado

Graças ao painel frontal angulado, esses modelos de embutir conseguem direcionar melhor o som na área de audição. Podem, assim, ser utilizados até nos canais frontais. Desse modo, os principais sons e os diálogos dos filmes são direcionados para os ouvidos do espectador sentado no sofá.

Com tweeter pivotante

Semelhantes às tradicionais, levam vantagem por oferecer um tweeter móvel (pivotante). Com isso, é possível direcionar as altas frequências para os ouvidos dos espectadores, característica que habilita o uso dessas caixas também nos canais frontais. Se for utilizá-las nos canais surround, procure direcionar o tweeter para as paredes, evitando que os sons secundários dos filmes sejam encaminhados diretamente para os ouvintes.

Com tweeter e woofer móveis

Estas caixas possibilitam a movimentação simultânea de todo o conjunto – tweeter (sons graves) e woofer (graves e médios) –, formando praticamente uma corneta. Também podem ser utilizadas nos canais frontais. Já na parte traseira da sala, o ideal é direcionar os falantes para as paredes, preservando o envolvimento surround.

Motorizadas

São as caixas de embutir mais sofisticadas. Elas ficam ocultas no teto até o momento em que o home theater é acionado. Quando isso acontece, saem da moldura, projetando o áudio diretamente para a plateia (ângulo de até 45º).

Subwoofers de parede

São a solução ideal para quem quer esconder todas as caixas do home theater. Recomenda-se que sejam instalados na parede de alvenaria (frontal ou lateral) a cerca de 35cm do piso e, de preferência, perto das caixas frontais. Já o posicionamento no teto é pouco indicado e requer a consultoria de um engenheiro acústico.

Como Funciona Dolby Atmos Home Theater 5.1.2, 5.1.4, 7.1.2 e 9.1.2

Na sua casa, o Dolby Atmos proporciona uma notável experiência de imersão sonora, bastante próxima às encontradas nas salas de projeção comerciais. Mas como será que esse codec funciona no seu home theater?

O Dolby Atmos reflete um salto na evolução do padrão de qualidade das gravações. Atualmente, como todas as marcas de receivers já estão com o codec incorporado ao equipamento, tem havido uma grande quantidade de projetos com a tecnologia.

No entanto, como ainda é vasta a curiosidade sobre o assunto, vale a pena prestar atenção nessas dicas da Audio Prime para usar o sistema em home theaters 5.1.2., 5.1.4, 7.1.2 e 9.1.2 e aproveitar ao máximo todos os recursos do Dolby Atmos.

O que é o Dolby Atmos

Criado pela Dolby Laboratories e lançado pela Pixar no filme “Valente”, em 2012, a plataforma é hoje considerada a maior inovação em tecnologia sonora desde o aparecimento do surround, em 1941 (em “Fantasia”, da Disney). O Dolby Atmos aumenta significantemente a imersão da experiência sonora. Fazendo uma analogia, podemos pegar, historicamente, padrões de comportamento de áudios.

Primeiramente os codecs decodificam o áudio em formato stereo, ou seja, em “L” e “R” (left e right, esquerdo e direito em inglês). Com o tempo e o desenvolvimento da tecnologia, surgiram os codecs que começaram a reproduzir os sistemas 5.1 e 7.1 – três caixas de som frontais (L, C e R) e duas ou quatro surround.

Essa disposição faz com que o som tenha um movimento circular na sala, envolvendo o ambiente em um plano horizontal em relação à imagem.

Maior verticalidade sonora

Já o Dolby Atmos aumenta a imersão sonora de forma vertical. Dessa forma, o primeiro requisito básico para o uso da tecnologia é a adição de caixas de som que façam com que o áudio venha de cima para baixo.

Com isso, o sistema oferece uma noção espacial circular horizontal, no 5.1, com a adição de, pelo menos, mais dois canais, gerando uma tridimensionalidade sonora.

Ou seja, fugindo do padrão 5.1, o Dolby Atmos começa a remeter um padrão de áudio vertical. Dessa forma, o áudio vem por todos os lados, proporcionando uma experiência de imersão muito mais completa em qualquer lugar da sala de projeção.

Como podem ser feitas as instalações no Dolby Atmos

As instalações do Dolby Atmos, portanto, podem ser feitas em 5.1.2, 7.1.2, 7.1.4 e 9.1.2. Esses são os padrões mais comuns e mais acessíveis para ter em casa. No entanto, o 9.1.2 é mais indicado para salas muito grandes, demandando um receiver muito maior, portanto não é bem o objeto desse conteúdo de hoje.

Conheça os tipos de caixas de som para o Dolby Atmos

Há hoje no mercado vários tipos de caixas de som: as do tipo torre, bookshelfs e as caixas de som de embutir, que podem ser anguladas ou não.

Como você está em um plano horizontal e precisa melhorar a experiência sonora vertical, o mais indicado é montar o Dolby Atmos sempre com caixas de som frontal, adicionando pelo menos duas caixas ao teto.

Dessa forma o som é propagado de cima para baixo, formando uma configuração básica para esse tipo de codec.

Por outro lado, hoje há caixas de som torre própria para Dolby Atmos, montada com os alto-falantes para frente e um alto-falante na parte de cima virado para o teto.

Essa configuração tem como objetivo fazer com que o áudio bata no teto e reflita em quem está assistindo o filme, aumentando a imersão. Também é possível usar caixa de som bookshelf própria para os sistemas, adaptada na parte superior justamente para fazer esse front high (canal frontal alto).

Hoje, no entanto, a maioria dos projetos segue uma linha clean, com a tendência de jogar os equipamentos para o teto.

O que você precisa saber sobre o projeto de automação residencial

A entrada no século XXI gerou mudanças significativas na maneira como interagimos com a tecnologia. Se antes utilizávamos equipamentos e ferramentas para facilitar tarefas diárias, hoje temos dispositivos como parte integral do nosso cotidiano, como o sempre presente smartphone.

Em nossas residências também não tem sido diferente. As smart TVs são exemplos de como a tecnologia trouxe conceitos bem maiores para um dispositivo tão comum.

Nesse sentido, trouxemos, no artigo de hoje, informações sobre uma tendência mundial de aprimorar as funcionalidades das residências com o uso de tecnologias. Confira abaixo o que é o projeto de automação residencial, quais os benefícios, dicas de como implementá-lo e qual será o futuro dessa área.

O que é o projeto de automação residencial

Os projetos de automação residencial são adaptações realizadas em uma casa ou apartamento, instalando-se controles e tecnologias interoperáveis, que visam tornar a residência automatizada e mais eficiente na sua função para o morador.

Uma residência automatizada pode ser adaptada com diversas ferramentas, como: controle de iluminação e da temperatura, gerenciadores energéticos, sistemas de áudio, vídeo e redes interconectados, sistema de segurança etc.

Vantagens de implementação

As vantagens do projeto de automação residencial são inúmeras. Entre elas, podemos citar três em destaque:

Conforto

Implementar um projeto de automação residencial trará o controle da sua casa para suas mãos. Isso porque, com adaptação das ferramentas para as tecnologias de rede, é possível interconectar vários aparelhos com um smartphone.

Dessa forma, diversos equipamentos domésticos, como fogão e geladeira, podem ser monitorados remotamente. Por exemplo, ao colocarmos alguma comida para cozinhar, poderíamos controlar a temperatura da panela ou desligar o fogão do sofá da sala.

Além disso, é possível instalar sensores que fechariam cortinas ao chover, programar a iluminação do jardim para um determinado horário, ajustar a temperatura interna conforme o clima externo etc. Tudo isso sem a presença física do morador.

Economia

Outro grande benefício do projeto de automação residencial é a economia promovida pelas tecnologias. Como exemplo, podemos citar os casos em que os gastos energéticos poderiam ser diminuídos se o ar-condicionado fosse desligado sempre que a temperatura externa estivesse agradável ou que as luzes ficassem apagadas sempre que um cômodo estivesse desocupado.

Segurança

Nesse caso, poderíamos falar em segurança com dois significados: a patrimonial, contra roubos e invasões, e a integridade dos moradores e do imóvel, contra os acidentes domésticos.

O projeto de automação residencial poderá prever um sistema de integração entre fechaduras eletrônicas, câmeras, leitores biométricos, sensores de movimento etc., protegendo a residência contra a violência urbana das cidades brasileiras.

O sistema poderá, também, contar com a instalação de botões de emergência — que acionam autoridades policiais ou os seguranças da casa ou do condomínio — em lugares que só o morador conheça.

Para eliminar o risco dos acidentes domésticos, o projeto pode evitar ou monitorar a sobrecarga de energia em equipamentos, indicar vazamentos de água e gás, proteger contra incêndio por meio de sensores e outros benefícios.

Dicas de como realizar o projeto de automação residencial

Implementar e planejar esse tipo de projeto pode não ser uma tarefa tão simples quanto parece. Por isso, nós listamos algumas dicas para ajudar a cercar-se de qualquer problema durante o planejamento e obter o máximo de benefícios que você procura.

Definir necessidades e prioridades

O primeiro passo para qualquer projeto é sempre identificar as motivações e os limites para aplicação das ideias. Não se esqueça de consultar a opinião de todas as pessoas que residem na casa. É importante que todo mundo tenha o máximo de proveito dos resultados da automação.

Por exemplo, deve-se ter em mente quais cômodos deverão e precisarão ter essas funcionalidades extras. Quais são os fatores que têm maior influencia na procura pelo projeto, se é por alguma vantagem específica, como segurança ou conforto. Uma boa dica é listar tudo o que você gostaria e que realmente precisa para tornar sua casa mais autônoma e prática.

Pesquisar

Conhecer as tecnologias e as empresas que prestam serviço nessa área é essencial. Por isso, é importante que você faça buscas sobre o que o mercado tem a oferecer para otimizar sua relação com a casa. Procure se informar sobre as tecnologias disponíveis pela internet e tente obter um preço médio para instalação desses equipamentos. Assim, também será possível começar a pensar nos limites do seu orçamento.

Poucas empresas trabalham com o projeto de automação por inteiro. Na maioria das vezes, você terá que optar por segmentar as novas adequações, buscando profissionais especializados em áreas determinadas, como áudio e vídeo, segurança, iluminação etc.

Planejar o orçamento e comparar preços

Tendo em vista os objetivos do seu projeto e o que é possível de se obter no mercado, chegou a hora de definir os limites do seu orçamento. Essa tarefa é fundamental, pois, a partir disso, você poderá controlar os custos de implementação das novas tecnologias na sua residência.

Estabeleça uma faixa de preço que você possa pagar e que ainda atenda aos requisitos levantados na nossa primeira dica. Uma boa ferramenta é lançar os valores dos orçamentos que forem sendo realizados e compará-los para se obter o melhor custo-benefício.

Tendências da automação residencial

Segurança contínua

No mercado atual, há uma grande procura pelo aprimoramento das tecnologias de segurança residenciais e corporativas. Espera-se que nos próximos anos as empresas do ramo tragam dispositivos mais inteligentes, protegendo as pessoas dos riscos da violência urbana.

As câmeras inteligentes de alta resolução são os equipamentos mais esperados para o momento. Esses dispositivos fazem a identificação automática de pessoas e objetos, propiciando a tomada de decisões para emitir determinados alertas, feitos pelo próprio sistema.

Internet das coisas

Imagine uma casa em que a geladeira possa emitir um alerta sobre a validade de um produto dentro dela ou que uma lâmpada queimada, em alguma parte da casa, envie uma mensagem com a informação para seu smartphone! Isso já é possível!

O funcionamento é bem simples: os aparelhos são conectados por radiofrequência e, quando conectados à internet, as informações são levadas a uma base de dados que fornece o controle. Boa parte dessa tecnologia já existe e está disponível no mercado, mas ainda há muito o que evoluir nesse ramo, principalmente para melhorar a gestão de residências, edifícios e até cidades.

Os carros que mais fazem sucesso no instagram do mundo

Nem só de sneakers, comidas, paisagens e selfies é feito o Instagram. A rede também tem muitas fotos de carros. Dos antigões clássicos e vintage às novidades, não faltam fotos de máquinas de todos os tipos.

Para descobrir quem é o rei do Instagram dentre os automóveis, a seguradora Veygo Motoring Research listou os 25 carros mais mencionados na rede social em todo o mundo.

Surpreendentemente, modelos como Lamborghini Aventador, Audi R8 e Chevrolet Corvette estão de fato entre os mais clicados, mas lado a lado com carros mais “discretos” como VW Golf, Honda Civic e A4. De longe, o clássico dos clássicos Ford Mustang lidera no primeiro lugar.

Confira a lista completa

25. Volkswagen Golf – 1.266.535 menções
24. Audi S3 – 1.311.889 menções
23. BMW M2 – 1.389.175 menções


22. Mazda MX-5 – 1.411.558 menções
21. Vauxhall Corsa – 1.423.252 menções

20. Toyota Corolla – 1.492.653 menções
19. Audi A4 – 1.591.794 menções
18. Honda Civic Type R – 1.834.422 menções
17. Porsche 911 – 1.940.424 menções


16. Porsche Carrera – 2.077.459 menções
15. Mini Cooper – 2.131.312 menções
14. Lamborghini Huracan – 2.203.050 menções


13. Chevrolet Silverado – 2.254.244 menções
12. Subaru Impreza – 2.670.309 menções
11. BMW M5 – 2.741.911 menções
10. Audi R8 – 2.900.314 menções
9. Lamborghini Aventador – 3.085.336 menções
8. BMW M4 – 3.432.052 menções
7. Chevrolet Corvette – 3.963.740 menções


6. Chevrolet Camaro – 4.686.969 menções
5. Jeep Wrangler – 5.137.019 menções
4. BMW M3 – 5.817.457 menções
3. Nissan GT-R – 7.019.123 menções
2. Honda Civic – 7.402.365 menções
1. Ford Mustang – 11.947.872 menções

Som ambiente: conheça alguns opções de sonorização residencial

Você sabia que a música alivia a ansiedade, promove o bom humor, cura a tristeza e as dores emocionais, nos motiva, melhora nosso sono e potencializa nosso desempenho para o trabalho e as tarefas domésticas?

É claro que todos nós gostamos de música, cada um com seu estilo e preferências, mas saber que ela proporciona tantas vantagens com certeza faz a gente ter vontade de ouvir ainda mais! Você já imaginou como seria bom ter um som ambiente em casa, para você ouvir suas músicas preferidas no conforto do lar? Sem dúvida o ambiente ficará mais confortável e agradável.

Você pode ouvir as músicas sozinho, mas também aproveitar as pequenas reuniões com os amigos para deixar esse encontro ainda mais animado. Mais do que isso, você pode organizar uma festa grande e aproveitar todos os benefícios do seu som residencial. Ele também pode ser útil para a área do churrasco, assim você e seus convidados escutam uma boa música enquanto apreciam as suculentas carnes que vão preparar.

Existem algumas opções bem legais de sonorização residencial. Listamos duas delas para você escolher a que melhor te atende. Confira!

Som ambiente: conheça alguns opções de sonorização residencial

 – Caixa de som de embutir

Uma alternativa bem interessante é ter caixa de som embutida no teto da sua casa. Ela fica bem discreta, pois a instalação pode ser feita atrás do forro, assim a caixa não fica aparente. Mas é possível embutir na parede, nos móveis ou em um painel. Tudo vai depender do seu gosto.

Existem modelos quadrados, retangulares e redondos e com diversas opções de potências. Além disso elas podem ter de 1 a 4 canais e por isso é possível que a sonorização seja feita em diversos ambientes da casa, assim você pode sair da sala para o quarto e depois ir ao banheiro tomar um banho relaxante sem precisar parar de ouvir sua música.

2 – Subwoofer

Subwoofer é uma caixa de som específica para reprodução em frequências baixas, aquelas de sons mais graves. Ele pode ser conectado ao notebook, smartphone e computador e alguns possuem entradas para MP3, MP4, iPod e USB. Esses equipamentos são potentes, possuem muita qualidade de som, são pequenos, leves e podem ser colocados em qualquer lugar da casa.

Existem os modelos passivos, que não dependem de alimentação própria de energia e não possuem amplificadores, recebendo o sinal de som já amplificado do aparelho que reproduz áudio, e os ativos, que possuem um amplificador dedicado, permitem ajuste mais fino do som e precisam de alimentação própria de energia.

O QUE PODE SER AUTOMATIZADO EM UMA RESIDÊNCIA?

O toque de modernidade e luxo da automação residencial traduzem um estilo de vida exclusivo e tão diferenciado que encanta a todos, porém, por ser algo ainda em crescimento no Brasil, uma dúvida que surge em todas as pessoas que querem ter toda a sofisticação, tecnologia e conforto da automação nas suas residências é: O que, de fato, eu posso automatizar na minha casa?

Essa é uma pergunta muito abrangente, afinal a tecnologia está em constante avanço e há novos equipamentos, eletrodomésticos e elementos surgindo no mercado a todo momento. Dentro deste contexto, preparamos uma breve lista com alguns itens para te ajudar a pensar em viver em uma casa totalmente inteligente e poder desfrutar de tudo com muito mais conforto.

A SENSAÇÃO DE ENTRAR EM UMA CASA INTELIGENTE É A DE ESTAR EXPERIMENTANDO UM POUQUINHO DO FUTURO

Lâmpadas

A iluminação é um dos itens mais conhecidos quando falamos de automação residencial. Em uma casa inteligente, as lâmpadas podem ser programadas para que você controle a intensidade da iluminação produzindo efeitos ainda mais incríveis nos ambientes. Além disso, é possível substituir os interruptores comuns por versões mais modernas e/ou controlar tudo do seu smartphone.

Persianas

As persianas podem ser programadas para abrir e fechar automaticamente em horários pré determinados, aproveitando ao máximo a luz solar. A integração delas com o sistema de iluminação e climatização mudam substancialmente o conforto térmico e visual do ambiente.

Interfones

Atender o interfone no seu celular e liberar o acesso para visitas de onde estiver – dentro ou fora de casa – é uma facilidade que ultrapassa a ideia de luxo e conforto, e transforma a automação residencial em algo imprescindível para aquelas pessoas com dificuldade de locomoção, como deficientes físicos, e idosos.

Portas principais e portões

A segurança é um dos principais atrativos de se automatizar os portões da garagem e portas principais da residência. Com isso, esses dois elementos podem ser controlados remotamente e ainda é possível receber notificações quando os mesmos forem acionados.

Áudio e Vídeo

DVD, Blu-ray, TV, Telão, projetor, caixas acústicas, TV por assinatura, NetFlix, Apple TV, Vídeo Game… a lista de aparelhos usados em um ambiente de home theater é imensa, por isso reunir as funcionalidade de todos eles na tela do seu smartphone, e acionar várias elementos com apenas um toque, vai tornar sua experiência muito mais fascinante.

Banheiras

Imagine chegar em casa e encontrar a banheira de hidromassagem com a água no nível e temperatura certa para você relaxar depois de um longo dia. Com a automação residencial basta ajustar essas funções ainda de longe, pelo celular, e curtir um banho revigorante.

Eletrodomésticos

Para atender um público bem exigente, uma nova geração de eletrodomésticos vem surgindo no último ano, tudo graças ao investimento de grandes marcas como Samsung, LG e Siemens. Com essas novas tecnologias, os aparelhos domésticos como lava roupas, cafeteiras e fornos – com WiFi e homologação documentada pela equipe de engenheiros da automação – podem ser integradas ao sistema de casa inteligente e tornar sua rotina muito mais leve e moderna.

Casa conectada: veja tudo que você pode fazer com a Google Assistente

A Google Assistente agora é capaz de entender e responder comandos em português em dispositivos de áudio, vídeo e iluminação. Com a novidade, os usuários já podem controlar diversos aparelhos dentro de casa por meio da voz, transformando sua residência em um ambiente totalmente smart, com dispositivos funcionando de forma integrada. Além da automação residencial, outra vantagem de ter uma casa inteligente está na economia, visto que os aparelhos ajudam na gestão de água e eletricidade.

A ferramenta também é extremamente pessoal e pode entender a rotina e os hábitos do usuário, ajudando na execução de tarefas. Aqui no Brasil, já é possível comprar diversos aparelhos que funcionam com a assistente em português, como caixa de som, smart TVs, câmera de segurança e até mesmo carros. Pensando nisso, o Google demonstrou o funcionamento da Google Assistente em uma casa conectada, localizada em São Paulo. Confira, a seguir, tudo que ela pode fazer na sua residência.

Comandos para a Google Assistente em português

A Google Assistente é uma assistente virtual capaz de interagir e conversar com o usuário por meio de comandos de voz. Desde 2017, ela já funciona em português nos celulares Android e iPhone (iOS). A novidade é que agora a ferramenta também está operando em português, e de forma integrada, em outros aparelhos além do smartphone. Isso significa que os usuários podem utilizá-la para controlar a casa por meio da voz.

Antes, para conversar com a assistente, era preciso dar todos os comandos em inglês. Agora, basta falar “Ok, Google” para ativar a ferramenta. Em seguida, é só dizer a ação que você deseja executar. Por exemplo, é possível pedir que ela crie um alarme; adicione um item à sua lista de compras; te lembre de passear com o cachorro ou mande mensagem para algum contato no WhatsApp.

Na assistente, o reconhecimento da voz é feito por meio de machine learning. Ou seja, conforme o uso, a Google Assistente vai aprendendo os hábitos do usuário e deve a apresentar respostas cada vez mais inteligentes. Outra característica da ferramenta é a personalização, visto que ela tende a ficar cada vez mais pessoal, capaz de prever as necessidades do usuário e resolver situações de acordo com o gosto de cada um.

Para quem se preocupa com a privacidade, o Google garante que a assistente não fica ouvindo as conversas dos usuários. A ferramenta é ativada com o “Ok, Google” e, somente após esse comando, começa a entender o que as pessoas estão falando. A empresa acredita que, até 2021, 327 milhões de residências no mundo terão pelo menos um aparelho conectado.

Aparelhos com Google Assistente no Brasil

Durante o evento Casa Conectada, o Google mostrou diversos aparelhos que podem ser usados para deixar a casa inteligente. De acordo com a empresa, são mais de 30 dispositivos, de diferentes fabricantes, que já estavam à venda no Brasil, mas que só permitiam a interação com a Google Assistente em inglês. Agora, é possível dar comandos em português para que a ferramenta execute tarefas.

No entanto, não tem problema se o usuário não quiser investir no modelo. Também é possível usar a assistente pelo celular e controlar tudo com a voz da mesma maneira. Toda a integração entre os aparelhos é feita pelo aplicativo Google Home, disponível para celulares Android e iPhone (iOS). Vale lembrar que todos os dispositivos devem estar conectados à mesma rede Wi-Fi e o usuário deve fazer a configuração pelo mesmo app.

 

Dentre as smart TVs, já é possível comprar aparelhos da Sony, Semp TCLe LG com a Google Assistente integrada. Os modelos podem trocar de canal, reproduzir vídeos ou exibir informações apenas com o comando do usuário. A Samsung prometeu a chegada da assistente em sua linha de televisões ainda para este ano. Para quem não tem ou não pretende comprar uma smart TV tão cedo, o próprio Google oferece o Chromecast 3.

Além disso, outros produtos também podem ajudar na automação residencial. A Orvibo, por exemplo, possui à venda cortina e ar-condicionado que podem ser controlados por meios de comando de voz. A fabricante também oferece um smart plug, uma tomada inteligente que pode ligar e desligar à distância qualquer dispositivo que estiver conectado a ela. Já na parte de iluminação, é possível comprar as lâmpadas Hue, da Philips, e uma opção para mais segurança é a câmera de segurança D-Link DCS-8000LH. Para ajudar na limpeza da casa, está disponível o robô aspirador Roomba 890, da iRobot.

Google Assistente: quatro curiosidades sobre o software

Também é possível usar a Google Assistente no carro. Basta ligar o veículo e começar a conversar com ela para obter informações sobre clima e trânsito, por exemplo. Como tudo é feito por meio da voz, o motorista evita distrações ao mexer no celular enquanto está no volante. Aqui no Brasil, o recurso já está disponível em modelos de fabricantes como Jeep e General Motors.

Home Theater: dicas para montar uma sala de cinema em casa

Imagem, som e conforto. Essa é a combinação ideal para você montar a sua própria sala de cinema em casa. Seja em uma sala multifuncional ou em um ambiente dedicado especialmente para a família assistir a filmes, séries, esportes e também para os videogames, os itens indispensáveis são um sofá superconfortável, um ótimo sistema de som e uma excelente TV – ou até mesmo um projetor.

1- Escolha uma TV excelente

A maioria das TVs de LED disponíveis no mercado e basicamente todos os aparelhos OLED e QLED são SmartTVs: têm acesso à internet, podem receber aplicativos, games, conectar-se e compartilhar conteúdos com smartphones. TVs mais antigas também podem “ficar inteligentes” com o uso de devices como o Fire TV ou um videogame de última geração.

Falando de resolução, é preciso entender que quanto mais pixels, melhor a qualidade da imagem. Uma tela HD (high definition) tem 1280×720 pixels na proporção 16:9, enquanto a Full HD tem 1920×1080. Já a 4K, também chamada Ultra HD, tem 3840×2160 pixels, uma imagem com qualidade quatro vezes maior do que a Full HD.

Nosso mercado também já conta com as primeiras TVs e monitores 5K, com definição 5120×2160 pixels, enquanto feiras de tecnologia já apresentaram aparelhos 8K Full Ultra High Definition, com 7680×4320 pixels. Enquanto isso, os projetores mais acessíveis no mercado nacional ainda são Full HD, mas já há uma boa oferta de 4K por preços interessantes.

Já a escolha do tamanho da TV depende do ambiente e da distância até os assentos, para que a experiência seja confortável. Especialistas e arquitetos falam em pelo menos três metros, porém, com as TVs de altíssima definição, uma distância menor não compromete a qualidade da imagem nem causa desconforto.

As marcas recomendam a distância de, no mínimo, duas vezes a diagonal da tela. Por exemplo, uma TV de 42” tem 107cm na diagonal, então a distância ideal do aparelho ao sofá seria de cerca de dois metros; para uma TV de 50”, a distância confortável seria de 2,5 metros.

 

2- Escolha um ótimo sistema de som

Depois da imagem, o som. Apesar de satisfatória, a experiência de cinema não será completa apenas com o sistema de áudio da TV. E assim como na TV, o tamanho do ambiente pode determinar a necessidade de um home theater mais ou menos potente.

Para salas menores, um sistema 5.1 (que possui cinco caixas e um subwoofer) deve ser mais do que suficiente. Um ambiente dedicado e isolado vai pedir um equipamento 7.1 (sete caixas e o subwoofer), também com maior potência. Ambos criam um ambiente de áudio mais realista, o chamado som surround ou holográfico.

As caixas devem ser espalhadas pela sala e podem até ser fixadas no teto, em especial para o som traseiro, para um efeito surround mais eficaz.

Para uma sala pequena, uma soundbar de qualidade, que consegue emular o som surround de sistemas 3.1 e 5.1, pode ser suficiente e não causar desconforto auditivo.

Os home theaters mais novos possuem conexão bluetooth com smartphones e outros aparelhos, o que permite criar um sistema de som no ambiente, transmitindo música do celular, por exemplo, sem utilizar a TV.

Em relação à acústica da sala de cinema, madeira, tapetes e estofados funcionam bem como isoladores. Por outro lado, espelhos, vidros e pisos frios vão prejudicar a experiência na qualidade do som.

3- Escolha um ótimo sofá e poltronas

Para uma sala de cinema exclusiva, você pode investir em poltronas reclináveis, cadeiras confortáveis com banquetas e pufes para apoiar os pés, ou sofás amplos e com chaise, para criar uma experiência do maior conforto possível.

Já num espaço que também funciona como sala de estar, uma boa escolha pode ser um sofá retrátil e reclinável, que seja versátil para o dia a dia da casa, sem tornar-se um monstro espaçoso, e confortável para as noites de cinema, esportes e games.

O conforto também está no material dos estofados: sofás e poltronas de tecidos são mais gostosos no toque do que couro, por exemplo, e também ajudam na acústica.

4- Cuidados com a iluminação

O escurinho do cinema é importante para a experiência completa. Dependendo da luz natural do ambiente, cortinas blecaute podem ajudar a controlar a claridade. Elas serão essenciais caso a opção tenha sido por um projetor. Mesmo os equipamentos mais potentes exigem que o ambiente esteja quase 100% escuro para entregar a qualidade total.

Por outro lado, uma boa sala de cinema e games pede iluminação indireta, com luz mais quente e aconchegante. A solução pode estar em spots instalados no teto e paredes ou abajures e luminárias de chão, para direcionar para as paredes.

Paredes de cores mais escuras – ao menos a que fica atrás da TV – ou com papel de parede também ajudam na imersão.

Automação residencial: soluções para ambientes onde tenham idosos

A acessibilidade de ambientes para idosos é um desafio da arquitetura atual. A necessidade que os todos os lugares contem com facilitadores para essa idade tão especial é real. Então, com esse cenário, imagine poder contar com uma casa moderna, da qual as luzes sejam acionadas de forma automática, que conte com rampas ao invés de escadas, além de um sistema que sirva como aviso para emergências. Pois saiba que essas e outras tantas funcionalidades são possíveis com a automação residencial para idosos. E no post de hoje listamos alguns benefícios para te mostrar como ela é capaz de tornar a vida na 3ª idade bem mais fácil! Acompanhe.

Soluções de automação residencial para idosos

O mercado da automação residencial é especialmente voltado para as necessidades cotidianas enfrentadas pelos idosos. Ela visa promover uma maior independência à vida deles, proporcionando uma locomoção com segurança dentro de casa e contar com um botão de emergência, caso o usuário precise de socorro.

Para aqueles que têm limitações físicas que restrinjam a sua locomoção, a automação residencial para idosos proporciona diversas soluções inteligentes, como o assento manual, que permite ao idoso subir e descer escadas de forma segura e sem o risco de quedas.

Além disso, os sistemas de automação residencial possibilitam o controle da temperatura do ambiente, da iluminação, de aparelhos de rádio e TV através de um único controle remoto. Assim, os idosos passam a ter um ambiente muito confortável, sem a necessidade de se locomoverem para acionar qualquer uma dessas funções, o que evita quedas, acidentes e fadiga.

Câmeras de segurança

Fazer a automação residencial para idosos não significa apenas maior independência e conforto para esse público, mas também oferece uma maior tranquilidade em termos de segurança, tanto para os idosos quanto para as crianças.

Através de câmeras de segurança monitoradas via internet, os parentes podem visualizar a residência em tempo real através do computador ou smartphone. Assim, é possível identificar rapidamente o que está acontecendo no ambiente em caso de situações de emergência, mesmo quando a criança ou pessoa idosa está impossibilitada de pedir ajuda.

Botão de pânico

Outra medida de segurança que a automação residencial proporciona são os Botões de Pânico. Eles são aparelhos que, quando acionados pelo idoso, entram em contato automaticamente com uma central de emergência que envia ao local o socorro necessário e avisam aos familiares sobre o ocorrido.

Geralmente, esse botão é utilizado como uma pulseira ou um colar, de forma que sempre fique junto à pessoa idosa e possa ser acionado sem levantar suspeitas, especialmente em casos de arrombamento ou assalto à residência.

 

Luzes e portas automáticas

Os sensores de presença são uma peça chave na automação residencial. Eles funcionam ativando a iluminação, a abertura e fechamento das portas, janelas e cortinas, ligando e desligando qualquer dispositivo que conte com função on e off, de forma totalmente automática, sendo extremamente útil para residências que com pessoas idosas ou crianças.

Além disso, os sensores de presença conseguem apontar se a pessoa está ou não em casa. Isso contribui para a identificação de situações anormais nos ambientes, como um fogão aceso sem a presença do morador ou alterações incomuns na rotina que possam indicar que a pessoa está em uma emergência.

Controle de medicamentos

Uma preocupação muito comum entre médicos e familiares é em relação à dose da medicação dos idosos que, muitas vezes, tomam um remédio e depois se esquecem de que já tomaram a dose, o que pode levar a sérios problemas de superdosagem acidental.

A automação residencial para idosos conta ainda com um sistema inteligente associado às tampas dos frascos de remédios, ajudando aos idosos a se lembrarem dos horários em que se deve tomar os medicamentos, além de contar com um receptor que envia um alerta à própria pessoa ou a um familiar, no caso de esquecimento da dose a ser tomada.

As soluções de automação residencial para idosos permitem que esse público consiga manter a sua independência dentro de casa e que tenham uma vida mais confortável e segura. Muitas delas também podem ser aplicadas às residências que tenham crianças ou pessoas com algum tipo de deficiência.