BLOG

Projetores LED para home Theater: Sinônimo de economia 

Em primeiro lugar, queremos apresentar a você a tecnologia dos projetores de LED para home Theater e são tantas as vantagens, que você precisa ter um desse em casa. Os projetores de LED têm a capacidade superior aos projetores convencionais,  pois oferecem resistência e ótimo desempenho.

Projetores de LED para home Theater: Sinônimo de economia 

Uma lâmpada normal tem vida útil média de 3 mil horas, enquanto que a de LED dura até 40 mil horas a mais e custa até 3 vezes menos. Dessa forma o seu custo com manutenção é reduzido.

A lâmpada de LED também é um produto mais amigável com o meio ambiente. Uma vez que ela não possui mercúrio e 98% dos materiais que a compõem são recicláveis, facilitando assim seu descarte.

Além dessas vantagens, os projetores de LED não emitem calor. Isso ajuda ainda na diminuição do consumo de energia do aparelho de ar condicionado que trabalhará menos tempo para climatizar um ambiente.

Projetores de LED para home Theater: Sinônimo de economia 

Projetores de LED para home Theater: Alta qualidade de imagem

Lâmpadas comuns também sofrem queda na qualidade de cor e brilho enquanto as LEDs, mesmo depois de milhares de horas de uso, não apresentam essa deterioração.

O projetor de LED Casio XJ V2A, por exemplo, possui uma estrutura de bloqueio de poeira. Essa proteção, ajuda a reduzir a deterioração da luminosidade do projetor que geralmente é atribuída ao pó.

Em comparação com os projetores com lâmpada de mercúrio, esses modelos requerem pouca ou nenhuma manutenção.

Os projetores de LED ligam e desligam de forma imediata, pois não exigem tempo para aquecerem ou esfriarem. Por conseguinte, seu consumo de energia é extremamente baixo.

Projetores LED para home Theater: Sinônimo de economia 

Tecnologia LED e Laser

Em 2010, a Casio tornou-se a primeira empresa no mundo a desenvolver Fontes de luz LED e laser para projetores.

Desenvolvida em resposta às necessidades ambientais, econômicas e utilitárias da época, esta tecnologia de fonte de luz Laser&LED está sendo rapidamente difundida em todo o setor de projetores como a nova fonte de luz padrão.

Diversidade de usos dos projetores de led

No geral, esses projetores de LED são surpreendentemente compactos, mais leves e mais silenciosos, possibilitando assim, que sejam transportados facilmente.

O mini projetor MN800 da Brilens, também possui a tecnologia LED e surpreende pela alta qualidade de imagem, pelo seu tamanho compacto e pelo preço baixo. Ele possui 22,5 x 14 x 7cm e apenas 900 gramas. É um projetor muito versátil, podendo ser transportado com facilidade para diversos ambientes.

Quais são as telas para projetor para home Theater disponíveis no mercado

Escolher uma das telas para projetor para home Theater disponíveis no mercado nem sempre é simples. Isso porque existem diferentes modelos e acaba causando dúvidas, levando às pessoas ao erro. É comum muita gente comprar a tela inadequada e só descobrir isso depois da instalação.

As telas erradas podem deixar a imagem opaca, muito brilhosa, com contraste desequilibrado ou até fora de enquadramento. Para garantir a compra da tela ideal, é preciso tomar certos cuidados e seguir algumas dicas. Antes de tudo, vamos explicar como os principais tipos de telas funcionam.

Conheça as telas para projetor para home Theater disponíveis no mercado

Telas fixas para projetor de home theater em Santos

Telas fixas para projetor de home theater

Basicamente, há no mercado dois tipos de telas para projetor de home theater: a fixa e a retrátil. Os modelos de telas fixas, como o próprio termo diz, são presas por conta de um quadro sólido. E ficam esticadas e presas por meio das duas pontas e é preciso utilizar prendedores específicos para elas. Esse modelo oferece bastante praticidade para as pessoas, uma vez que são fixos, ou seja, basta direcionar e ligar o projetor para poder assistir ao que quiser.

As telas presas são indicadas para quem tem espaços próprios para exibição de filmes, séries, novelas, etc. Por exemplo, elas são excelentes para ficar na sala de TV com projetor e home theater fixos. Não é indicado usar esse tipo de tela em lugares usados para mais de uma finalidade, já que os aparelhos ficam fixos o tempo todo.

As telas fixas também são as melhores escolhas em relação ao baixo preço e, também, ao fato de terem o quadro em volta, um detalhe que faz toda a diferença. Mas, afinal de contas, por que essa borda preta é tão fundamental?

As telas com quadros em volta fazem com que a imagem fique perfeitamente enquadrada e isso reflete na melhora da percepção dos telespectadores e ainda ajuda a melhorar o contraste. Mas para isso o indicado é que as telas tenham de 5 a 7,5 cm de borda preta (esses valores podem variar conforme a tela for maior). Mais uma vantagem é que se for preciso aumentar o tamanho da imagem, a borda excluirá os excessos e, assim, pode manter o contraste e o foco corretos.

Telas retráteis para projetor para home theater

Diferente das telas fixas, as retráteis são aquelas que esticam e recolhem. Você certamente já deve ter visto esse modelo em salas de aula ou em espaços de palestras e workshops.

As telas retráteis costumam custar mais caro do que as fixas, mas têm a vantagem de praticidade para lugares multiusos, por exemplo, se você usa uma sala para assistir à TV e, também, receber visitas, a retrátil é a melhor opção.

É possível esticá-la para ver as programações da TV aberta ou fechada e depois recolhê-la caso você precise receber familiares e amigos. Mais uma vantagem é que as telas retráteis não dependem de suportes fixos, pelo contrário, dá para usar suportes que se movem. O projetor também pode mudar de local, ao invés de ficar somente “preso” em suportes no teto. Além disso, o fato da tela ser retrátil faz com que a imagem seja exposta com maior suavidade.

LEIA TAMBÉM: RECEIVER : O CÉREBRO E O MÚSCULO DO HOME THEATER

Usar a parede como tela

As pessoas podem ainda optar pelo uso da própria parede de casa ou do ambiente de trabalho como tela. Mas os especialistas no assunto ressaltam que, para isso, é preciso ter uma parede com boas condições. E principalmente, pintada de uma cor que favoreça as imagens projetadas.

Algumas marcas já fabricam tintas que causam menos refração e brilho. Mas, ainda assim, a qualidade da projeção não é tão boa quanto com em uma tela. De forma geral, é indicado uma parede lisa, fosca e branca. Porém, para ambientes com pouca luminosidade é recomendável a cor cinza clara.

Automação residencial: o conforto de ter uma casa inteligente

A rotina das pessoas está cada vez mais agitada e a luta contra o relógio é diária, uma vez que a lista de tarefas para cumprir em um dia costuma ser extensa e fatores comuns das grandes cidades – como distância e trânsito, por exemplo – dificultam a realização das tarefas com agilidade. Para aqueles que têm filhos, a situação pode ser ainda mais complexa. É preciso conciliar maneiras de realizar todas as obrigações e ainda ter tempo para aproveitar e cuidar das crianças. Você já imaginou como seria se a tecnologia nos auxiliasse a controlar todas essas situações?

Automação residencial: o conforto de ter uma casa inteligente

Se você está pensando que já utiliza a tecnologia para otimizar o dia a dia de sua família utilizando os grupos de conversa on-line, por exemplo, você está enganado. Claro que essas funcionalidades são grandes facilitadores da comunicação, no entanto, existem outras soluções, ligadas à internet das coisas (IoT), que permitem que os responsáveis de uma casa consigam controlar todos os cômodos do imóvel – em tempo real – mesmo estando a quilômetros de distância. Essa automatização garante segurança e conforto de quem a adota.

Segundo pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside), esse mercado projetou um crescimento anual de 11,36% entre 2014 e 2020. Claro que ainda existe um grande potencial para ser explorado no Brasil mas, atualmente, os arquitetos e engenheiros já estão desenvolvendo seus projetos voltados para essas exigências. Por outro lado, as pessoas também estão passando a olhar a inclusão dessas facilidades como algo que vai muito além de um custo, já que proporcionam uma melhor qualidade de vida e auxiliam na redução de gastos com luz e água.

O investimento de um projeto como esse também é percebido quando olhamos para o aumento de segurança que ele propicia com o uso de câmeras de monitoramento. Com a instalação dos equipamentos é possível acompanhar pelo celular tudo o que está acontecendo em sua casa e, caso seja necessário, com apenas um comando é possível autorizar ou bloquear a entrada das pessoas. Mais um benefício das câmeras é o acompanhamento de tudo o que está acontecendo em tempo real, ou seja, é possível verificar se as crianças estão fazendo algo que não deveriam ou se o animal de estimação está com algum problema. Nas escolas o monitoramento também é possível. Existem algumas delas que já estão equipadas e os pais podem ter acesso às imagens a qualquer momento do dia, de maneira remota.

E os benefícios das casas inteligentes não param por aí. É possível verificar até mesmo as gavetas! Quando é preciso controlar o horário dos remédios de quem está em casa, por exemplo, pode-se programar o lugar em que eles estão guardados para que você seja avisado caso a gaveta não seja aberta no momento em que a medicação precise ser tomada. Se para você o problema é com o filho adolescente que sempre se atrasa para ir para escola, ou com o controle de horário de idosos, isso também pode ser evitado, já que com a programação dos colchões, você pode saber se a pessoa acordou no horário correto.

Para evitar o desperdício, existem as programações de inúmeros utensílios, como os chuveiros, torneiras, janelas e televisões. Com isso, ao detectar que algo está ligado sem utilização, os equipamentos são automaticamente desligados. E com a programação de abertura de cortinas e persianas, a luz natural pode ser melhor aproveitada, diminuindo a necessidade da utilização de energia.

Portanto, a automação de forma integrada pode proporcionar inúmeros benefícios para a população, garantindo uma supervisão quase impossível de ser alcançada de outra forma. Vale ressaltar que a tecnologia pode ser uma grande facilitadora, mas é fundamental a inteligência humana para analisar as situações e tomar as decisões mais adequadas para cada momento.

Caixas high-end Revel para home theater inclui torre de até seis falantes

A série de caixas Caixas high-end Revel para home theater, topo de linha da Revel, continua a ser lembrada no segmento high-end, devido ao cuidado na construção e seleção de materiais empregados em sua concepção. Tanto assim que o time de projetistas da divisão Luxury Audio Group, da Harman, conseguiu manter toda a linha em produção até os dias atuais.

Além da premiada floorstanding Salon2, de quatro vias, a família Ultima 2 é constituída por outros três modelos, todos de três vias: a torre Studio2, a bookshelf Gem2 e a central Voice2. Em comum, woofer de 8” e midrange, nos diâmetros de 4” e 5,25”, com cone em titânio invertido, para a melhor operação do falante.

 

Caixas high-end Revel para home theaterO tweeter de 1” traz domo de berílio, para baixa distorção e alcance de 45kHz (-3dB). Todos ligados a uma rede de filtros para cada faixa de frequência e otimizados por computador, visando ampla dinâmica e precisão tonal. Não por acaso, as caixas vêm com controles de baixas e altas frequências, para ajustar a resposta à acústica da sala.

As torres se destacam pela construção curvilínea com nove camadas de MDF laminado e um baffle (com tela magnética) de 65mm de espessura e recintos arredondados para os drivers, o que garante a inércia e elimina os efeitos de difração, quando as ondas encontram obstáculos à propagação.

Em um gabinete de 135cm de altura, a Salon2 reúne tweeter, dois midranges e três woofers, para graves da ordem de 23Hz (-3dB). Com sensibilidade em torno de 86dB, as caixas Ultima2, da Revel – que não informa a potência admissível –, são recomendadas para o uso com sistema modular, e estão disponíveis nos acabamentos piano black e mahogany (mogno).

Receiver : o cérebro e o músculo do home theater

Para ajudar aqueles que querem saber um pouco mais sobre equipamentos de áudio e vídeo para residências, resolvi abordar esses assuntos de uma forma bem simplificada. Nesta postagem falaremos sobre receivers para home theater. Espero que gostem.

O QUE É UM RECEIVER

Sabemos que o receiver é um dos equipamentos mais importantes de uma sala de home theater. Mas afinal, o que é um receiver?
A palavra receiver significa receptor e foi utilizada, primeiramente, para nomear amplificadores integrados estéreo que eram capazes de receber sinais de rádio AM/FM, os famosos receivers estéreo.
Quando os videocassetes se tornaram populares, a idéia de ter, em sistemas domésticos, a qualidade de áudio parecida ou pelo menos próxima a dos cinemas da época, ganhou força.
A Dolby, percebendo este nicho de mercado, lançou o codec Dolby Estéreo que consistia basicamente em utilizar um receiver com suporte ao formato quadrifônico, onde era possível amplificar quatro caixas acústicas diferentes com áudio distintos (três canais frontais e um canal traseiro).
O formato quadrifônico não fez o sucesso esperado, no entanto abriu as portas para a criação dos receivers de audio e vídeo atuais, que nada mais são que equipamentos dedicados a conexão de fontes de áudio e vídeo (Decoder de TV por assinatura, Blu-ray Player, Apple Tv, etc.), processamento de sinais de áudio e vídeo vindos dessas fontes, envio dos sinais de vídeo para a TV ou projetor, processamento e amplificação dos sinais de áudio.
Receiver : o cérebro e o músculo do home theater

RECEIVER: O CÉREBRO E MÚSCULOS DE UM HOME THEATER

O receiver pode ser considerado o cérebro de um home theater e sua principal função é receber os sinais de áudio e vídeo vindos de fontes distintas. Essas fontes são conectadas ao receiver pelas entradas digitais ou analógicas chamadas de inputs (IN), enquanto os conectores de saída de áudio ou vídeo digital ou analógico presentes no receiver são chamados de outputs (OUT).
O número e tipo de conectores de áudio e vídeo presentes no receiver está diretamente ligado ao tipo de processador utilizado pelo mesmo. O receiver decodifica e processa os sinais de áudio e vídeo que entram pelos conectores “IN” e envia, através das saídas “OUT” os sinais de vídeo processados para a TV ou Projetor e de áudio processados, amplificados e separados por canal através dos conectores de saída “Audio OUT” para as caixas acústicas.
Basicamente o receiver é formado por duas partes: O processador de áudio e vídeo e o amplificador de áudio multicanal.
Receiver : o cérebro e o músculo do home theater

• PROCESSADOR DE ÁUDIO E VÍDEO

Uma das funções do processador é aplicar a decodificação específica para os sinais de vídeo. Nesta decodificação são aplicados os padrões para se obter a melhor imagem possível. Atualmente a melhor conexão de vídeo digital é a HDMI pois ela permite que, através do mesmo cabo, sejam enviados sinais de áudio e vídeo de alta definição. Outros tipos de conectores de vídeo que podem ser encontrados em um receiver são: VGA, DVI, S-Vídeo, RGB, Vídeo Componente e Vídeo Composto.
Em uma fase separada, no mesmo processador, é feita a decodificação de áudio. As principais marcas de codecs de áudio para receivers são a Dolby, a DTS e a THX, e os principais codecs destas marcas são, respectivamente, o Dolby TrueHD, o DTS HD Master Áudio e o próprio THX. Esses codecs dividem os sinais de áudio para termos o efeito surround, detalhe que veremos mais a frente.
O processador aplica cada decodificação de áudio de acordo com a escolha do próprio usuário ou da pré-calibração automática do receiver.
Os principais tipos de conectores de áudio digital presentes em um receiver é o HDMI, o Digital Coaxial e o Digital Óptico. Já entre os principais conectores de áudio analógico presentes em um receiver estão o RCA e o XLR, além dos conectores de saída de áudio para as caixas acústicas.
Fora os codecs da Dolby, da DTS e da THX presentes na maioria dos receivers, podemos contar também com alguns presets se áudio como o Stereo (onde o áudio é reproduzido apenas nas duas caixas frontais do home theater. Este preset é ideal para audição de músicas de CDs, toca-discos e audio digital estéreo) e 5 Stereo ou 7 Stereo (onde todas as caixas, exceto o subwoofer, tocam o mesmo áudio. Este preset é ideal para festas.).
Existem outros tipos de codecs e presets que não abordaremos por enquanto ok.

• AMPLIFICADOR MULTICANAL

Após aplicar o codec ou preset de áudio, o processador envia estes sinais, separados por canal, para o amplificador multicanal, também presente dentro do receiver. Essa separação de canais pode ser 5.1 (quanto temos cinco caixas acústicas e um subwoofer), 7.1 (quando temos sete caixas acústicas e um subwoofer), 5.1.2 (o famoso Dolby Atmos, quando temos cinco caixas acústicas na altura dos ouvidos, um subwoofer e duas caixas no teto chamadas de canais Height), 5.1.4 (também Dolby Atmos, quando temos cinco caixas acústicas na altura dos ouvidos, um subwoofer e quatro caixas no teto sendo duas frontais e duas traseiras). Existem diversas outras tipos de separação de canais de áudio para salas de home theater, no entanto, estes são os mais comuns.
Esse amplificador multicanal, por sua vez, recebe esses sinais de áudio e aplica a potência elétrica, o que garante ganho de volume pelo mesmo.
Vale ressaltar que não basta o amplificador multicanal de um receiver apresentar altos valores de potência. Os melhores receivers, além de aplicar uma boa potência, geram o mínimo de distorção harmônica para cada faixa de frequência que passa por ele.
Outro ponto que você deve prestar atenção é na impedância de trabalho do amplificador do receiver. Normalmente este tipo de amplificador trabalha com 4 Ohms, 6 Ohms ou 8 Ohms de impedância. Especialistas recomendam que utilizemos a mesma impedância para o amplificador e para as caixas acústicas de seu home theater, afim de evitarmos fadiga e queima do amplificador.

Uma casa automatizada pode ser mais segura e econômica

Você sabe o que é a automação residencial? De forma geral, uma casa automatizada pode ser mais segura e econômica e a utilização desta tecnologia é para controlar ambientes e aparelhos domésticos. Isso permite que o morador controle, digitalmente, diversas funções como:

  • fechar e abrir cortinas

  • regar o jardim

  • aumentar ou abaixar a temperatura no ambiente

  • monitorar câmeras e alarmes

  • controlar  a intensidade das luzes

  • controlar o volume do home theater e aparelhos de som

Tudo isso é feito por Wi-Fi, permitindo o controle através do tablet, celular, computador ou de uma central de controle que reúne todas as funcionalidades em um só lugar. Como esse é um assunto que impressiona e interessa até quem não é muito antenado em tecnologia, a Smart.Touch decidiu trazer alguns dos benefícios de utilizar a tecnologia ao seu favor.

Iluminação

“Vocês pensam que eu sou sócio da companhia elétrica?” Se essa é uma frase que marcou a sua infância, vai ficar feliz em descobrir que automatizar a iluminação da sua casa vai economizar uma boa grana. A economia ocorre por dois motivos:

  1. Não existe mais a história de “esqueci de apagar a luz”. A função de apagar a luz estará sempre disponível em seu celular.

  2. A dimerização, que é o controle da intensidade da luz, ajuda na economia de energia. Como você não precisa de ambientes tão claros na hora de dormir, é possível diminuir a luminosidade e economizar um pouco mais.

A automação residencial também ajuda a aumentar a durabilidade das lâmpadas. Os produtos para esse tipo de sistema já são mais resistentes por si só. Com um maior controle sobre elas, é mais difícil de queimá-las.

Segurança

Um sistema de automação residencial também permite o controle de diversos dispositivos de segurança para a sua casa. Câmeras de monitoramento, fechaduras eletrônicas e alarmes são algumas das ferramentas disponíveis para se proteger, e que podem ser controladas via wi-fi. Assim, é possível identificar qualquer movimentação na casa, ou qualquer disparo dos alarmes, mesmo se você estiver fora de casa. Isso garante maior segurança e mais agilidade em chamar a polícia ou qualquer ajuda necessária.

E se você for adepto da técnica milenar de segurança “deixar as luzes acesas para parecer que tem gente em casa”, sorria. Com uma iluminação automatizada, você pode viajar e configurar horários para as luzes acenderem e apagarem automaticamente. Isso ajuda na economia de luz, tendo em vista que não será necessário que as luzes fiquem ligadas durante o dia.

Climatização

Está saindo do trabalho e percebeu que o dia está super quente? Que tal já ligar seu ar-condicionado antes mesmo de chegar em casa? Itens como aquecedores, ar-condicionado e climatizadores podem ser conectados também à gestão inteligente realizada pela automação da casa.

Com uma programação bem definida, é possível configurar temperatura, pressão e umidade do ar pelo seu celular, e preparar a casa para a sua chegada. Também é possível programar a função econômica, que tem o intuito apenas de manter a temperatura com 50% menos da capacidade do aparelho. Isso garante uma redução significativa no consumo de energia.

Uma casa automatizada

Conforto e praticidade

Com os ajustes disponíveis com apenas alguns toques, o conforto e a praticidade são os principais benefícios da automação residencial. Com uma casa mais inteligente, você terá menos preocupações durante o dia, e poderá manter um ambiente totalmente agradável e seguro ao controlar a iluminação, a segurança e o clima.

Outro ponto forte da automação residencial é a personalização dos comandos de acordo com as necessidades do morador. Cada casa tem um projeto único, configurado pela customização e pelos preços mais acessíveis. Dessa forma, é possível escolher quais aparelhos ou ambientes você deseja incluir no sistema.

Economia

Se você acha que a automação residencial é algo muito chique e que acabará saindo muito caro, pense de novo. Com uma casa integrada, é possível economizar rios de dinheiro a médio prazo.

Já falamos aqui sobre  o controle de aparelhos eletrônicos e da própria iluminação através do celular. Além disso, alguns sistemas contam até mesmo com sensores de presença, que desligam automaticamente os aparelhos se percebem que ninguém está utilizando-os.

Home theater: como melhorar a acústica de sua sala

A acústica do ambiente é uma das grandes preocupações na hora de montar uma sala de home theater, principalmente para quem mora em apartamento. Ter aquele vizinho chato reclamando do “barulho” causado pelos sons de seu subwoofer ou ter sons externos atrapalhando enquanto você tenta ouvir suas músicas preferidas são situações que, com certeza, você vai querer evitar.

Home theater: como melhorar a acústica de sua sala
CONFIRA ABAIXO ALGUMAS DICAS DE COMO MELHORAR A ACÚSTICA DE SUA SALA DE HOME THEATER:

Primeiro darei dicas de como melhorar o isolamento acústico de sua sala de home theater e, em uma segunda parte, como melhorar a absorção de áudio em sua sala de home theater.
Lembrando que o isolamento acústico serve para não deixar o som passar de dentro para fora, nem de fora para dentro do ambiente. É ideal para cômodos barulhentos (para não incomodar os outros) e também cômodos que você quer que sejam silenciosos (como quarto e sala de estar). Já a absorção acústica serve para não deixar o som refletir nas paredes, teto e chão, evitando eco e reverberação. É ideal para estúdios e salas de home theater.

DICAS DE ISOLAMENTO ACÚSTICO PARA SALA DE HOME THEATER

1 – Em primeiro lugar, há uma máxima: onde entra ar, entra som. Portanto, em primeiro lugar deve-se investir na vedação do ambiente, principalmente em vão de portas e janelas.
2 – Geralmente, as portas de madeira compensada colocadas nos apartamentos pelas construtoras são péssimas, tanto em questão de acústica quanto em questão de segurança. Portanto, é um investimento muito válido trocar pelo menos a porta da frente por uma porta de madeira maciça, que é imensamente superior tanto em acústica quanto em segurança.
3 – Pense em todas as divisões externas de sua sala, principalmente as paredes que fazem divisão com outros apartamentos, elevador e escadarias. Uma solução é revestir tais paredes com novas paredes de gesso acústico, ou dry walls, revestidas com lã de vidro ou lã de rocha. Apesar de roubar cerca de 10cm do seu cômodo, isto vai ajudar muito o som não entrar nem sair daquele cômodo pelas paredes que forem construídas.
Home theater: como melhorar a acústica de sua sala
4 – Pense na divisão com o apartamento de cima, e caso necessário, uma solução é instalar um forro de gesso acústico, revestido com lã de vidro ou lã de rocha. Funciona da mesma maneira que a dry wall.
5 – Pense na divisão com o apartamento debaixo, e caso necessário, uma solução é instalar um piso acústico como o piso vinílico ou emborrachado, que além de ajudarem com o isolamento, absorvem os impactos e tem alta durabilidade. Em casos extremos, instale um contrapiso com algum material isolante, como lã de vidro ou lã de rocha. Evite laminados de madeira, eles só aumentam o barulho pois o impacto é ecoado.
6 – Pense no isolamento das janelas. Existem janelas acústicas que são compostas por camadas de vidro em suas esquadrias, preenchendo tais estruturas para evitar a passagem do som.
7 – Ainda nas janelas, pode-se considerar trocar o vidro por um vidro mais grosso, de pelo menos 8 milímetros, por exemplo Blindex. Vidro mais grosso irá segurar mais o som.

O QUE É DOLBY ATMOS, HOME THEATER 5.1 CANAIS E HOME THEATER 7.1 CANAIS  

Você já deve ter ouvido falar de home theater com Dolby Atmos, home theater 5.1 canais, home theater 7.1 canais, home theater 5.2 canais e assim por diante. Mas afinal o que isso significa? Neste post você poderá conferir o que é Dolby Atmos, home theater 5.1 canais, home theater 7.1 canais e qual é pode ser melhor para sua sala de home theater.

O QUE É DOLBY ATMOS, HOME THEATER 5.1 CANAIS E HOME THEATER 7.1 CANAIS

Basicamente um sistema de home theater é composto por um receiver (ou pré-amplificador + amplificador(es) em sistema mais robustos), fontes de entrada (blu-ray player, decoder de tv por assinatura, Apple Tv, etc.), projetor, tela de projeção, TV e caixas acústicas.
Quando nos referimos a um home theater Dolby Atmos, 5.1, 7.1, etc. estamos falando da divisão dos canais de áudio que esse sistema foi configurado.

HOME THEATER 5.1 CANAIS

Um sistema 5.1 canais, por exemplo, é composto por:
• CAIXAS FRONTAIS
Duas caixas frontais, uma a esquerda (Left ou L) e uma a direita (Right ou R) em relação a tela de projeção ou da TV. As caixas frontais são responsáveis pela ambientação da cena, trilha sonora e diálogos secundários. Muita gente acredita que as caixas frontais são as mais importantes em uma sala de home theater, o que na prática não é verdade. É o que veremos mais a frente.
HOME THEATER DOLBY ATMOS ONDE COMPRAR EM SANTOS
• CAIXA CENTRAL
Uma caixa central (Center ou C) que deve ficar alinhada horizontalmente a TV ou tela de projeção. A caixa central é responsável, principalmente, pelos diálogos principais em primeiro plano e pelos principais sons centralizados. Sua qualidade deve ser compatível com a das caixas frontais para que o áudio reproduzido pelas caixas da frente sejam harmoniosos.
Um erro comum em muitas salas de home theater é utilizar caixas centrais com largura e profundidade muito menores que a das caixas frontais ou escolher caixas centrais de menor qualidade do que as frontais de seu home theater.
• CAIXAS SURROUNDS
Fora as caixas frontais e caixa central, temos também duas caixas traseiras, chamadas caixas surrounds.
As caixas surrounds tem como principal função reproduzirem o áudio do que está acontecendo atrás do camera man durante a cena. Isso permite com que tenhamos a sensação de estarmos dentro da cena ou na plateia de um show por exemplo. As caixas surrounds são as grandes responsáveis pela maior imersão durante uma sessão de filmes, shows, séries de TV, jogos de vídeo game e, por isso, possuem tanta importância quanto as caixas frontais e central.
As caixas surrounds devem ficar posicionadas alinhadas verticalmente as frontais e atrás, nas laterais ou sobre o sofá. Jamais a frente do sofá pois isso acabaria com o efeito surround tão importante em uma sala de home theater.
• SUBWOOFER
Por último, mas não menos importante, temos o subwoofer (o .1 do 5.1). Basicamente o subwoofer é responsável por tocar os sons mais graves que as caixas frontais não são capazes de reproduzir ou estão configuradas para não reproduzirem.
Em sistemas de home theater de alta performance, normalmente, os subwoofers são ativos. Isso quer dizer que possuem um amplificador integrado a eles.
Isso se dá pois, para reproduzir sons mais graves, é necessário uma maior potência e, caso se o mesmo dependesse do receiver, poderia comprometer todo o sistema.
Em média os subwoofers possuem potência RMS de 150w, 200w, 300w, 500w, 1000w, 1500w e até incríveis 3800w, que é o caso do extraordinário Gothan G213 da JL Audio, uma verdadeira obra de arte em subwoofer.

HOME THEATER 7.1 CANAIS

Em um sistema de home theater 7.1 canais temos os mesmos canais do 5.1, porém adicionamos mais duas caixas traseiras chamadas surrounds back. Essa configuração é interessante quando montamos salas dedicadas (cinemas residenciais) com dois lances de sofá ou poltronas, onde utilizamos um par de caixas surrounds para cada lance de sofá ou poltrona. Em home livings não vejo muita necessidade da utilização do 7.1 canais, já que a maioria dos blu-rays e DVDs são gravados em 5.1 canais.
Caso queira e seu projeto permita, você pode adicionar mais subwoofers para uma melhor reprodução dos sons mais graves. Dessa forma poderíamos ter as seguintes configurações: 5.2ch, 5.3ch, 5.4ch ou 5.5ch. E, no caso de sete canais, podemos ter: 7.2ch, 7.3ch, 7.4ch e assim por diante até termos 7.7ch.
Esse tipo de configuração não é muito comum pois demanda maior conhecimento técnico e o investimento se torna muito maior.

HOME THEATER DOLBY ATMOS

A Dolby é a desenvolvedora do codec Dolby Atmos que promete uma imersão de áudio ainda maior pois, além dos canais de áudio convencionais (5.1ch, 5.2ch, 7.1ch ou 7.2ch), são adicionados canais de áudio no teto para dar a impressão de efeito surround sound 360°.
As configurações do sistema de home theater Dolby Atmos mais comuns são:
– 5.1.2 = Duas caixas frontais, uma central, duas caixas surrounds, um subwoofer e duas caixas frontais height (caixas frontais no teto);
– 5.2.2 = Duas caixas frontais, uma central, duas caixas surrounds, dois subwoofers e duas caixas frontais height (caixas frontais no teto);
– 5.2.4 = Duas caixas frontais, uma central, duas caixas surrounds, dois subwoofers, duas caixas frontais height (caixas frontais no teto) e duas caixas surrounds height (caixas surrounds no teto);
– 7.2.4 = Duas caixas frontais, uma central, duas caixas surrounds, duas caixas surrounds back, dois subwoofers, duas caixas frontais height (caixas frontais no teto) e duas caixas surrounds height (caixas surrounds no teto); Ufa!!! Quanta caixa hein?!

Séries na Netflix aguardadas para outubro de 2018

 

  • Diário de Horrores: 1ª temporada – 04/10
  • Big Mouth: 2ª temporada – 05/10
  • Resultado de imagem para Dancing Queen: 1ª temporada serie netflix
  • Dancing Queen: 1ª temporada – 05/10
  • Terrace House: Opening New Doors: 4ª temporada – 09/10
  • Riverdale: 2ª temporada – 11/10
  • Resultado de imagem para A Maldição da Residência Hill: 1ª temporada serie netflix
  • A Maldição da Residência Hill: 1ª temporada – 12/10
  • The Flash: 4ª temporada – 12/10
  • Sal, Gordura, Acidez e Calor: 1ª temporada – 19/10
  • Resultado de imagem para Castlevania: 2ª temporadaserie netflix
  • Castlevania: 2ª temporada – 26/10
  • O Mundo Sombrio de Sabrina: 1ª temporada – 26/10

Confira os melhores aplicativos para arquitetos em 2018

Todos os jovens arquitetos, sabem de cor e salteado as palavras dos nossos colegas mais experientes quando se trata de tecnologia: “Antigamente tudo era muito mais difícil”. “Desenhávamos tudo à mão e um simples erro poderia por tudo à perder. Vocês, jovens, não sabem o que isso significa”.

Confira os melhores aplicativos para arquitetos em 2018

“Enjoados” talvez seja uma definição severa demais. Mas é fato que trabalhar com arquitetura hoje em dia é completamente diferente de como era décadas atrás. Empresas de tecnologia trabalham diariamente para desenvolver programas e aplicativos que procuram facilitar a nossa vida. Entretanto, com a infinidade de aplicativos disponíveis é até difícil acompanhar as novidades. Para ajudá-los, montamos uma lista dos principais aplicativos de arquitetura disponíveis no mercado no momento.

A360 (iOS/Android)

Guardar no Meu ArchDaily

Confira os melhores aplicativos para arquitetos em 2018

A360

Você se lembra como era difícil ter que esperar até chegar no escritório para poder abrir um arquivo de CAD, porque era impossível abri-los em seu smartphone? A Autodesk criou a solução perfeita para esse dilema quando recentemente lançou o aplicativo Autodesk A360. E qual é a grande novidade do A360? Você pode visualizar e fazer upload de desenhos 2D e 3D, independentemente do software usado para criá-los, navegar em modelos de grande escala, revisar e marcar os projetos, medir dimensões e áreas e acompanhar o status do projeto a qualquer momento e em qualquer lugar.

Autodesk Sketchbook (iOS/Android)

Guardar no Meu ArchDaily

Confira os melhores aplicativos para arquitetos em 2018

Autodesk Sketchbook

A Autodesk acredita que a criatividade começa com uma ideia e, geralmente, elas aparecem quando menos se espera. Pode ser à caminho do trabalho, sonhando acordado em reuniões ou palestras, ou na profana poltrona da sala de banho. Para garantir que as melhores ideias não se percam, a Autodesk desenvolveu um novo aplicativo com ferramentas inovadoras que transformarão à experiência do desenho técnico. Além de lápis, marcadores e mais de 190 pincéis personalizáveis, o aplicativo conta com ferramentas de simetria e previsão de traçado em 16 diferentes configurações que suavizam linhas e corrigem formas.

BIMx (iOS/Android)

Guardar no Meu ArchDaily

Confira os melhores aplicativos para arquitetos em 2018

BIMx

O premiado BIMx possui uma tecnologia única, integrando a navegação em projetos 2D e 3D. O recurso “hyper-model” ajuda os usuários a preencher a lacuna entre a atividade de desenho no escritório e o tempo real na obra. Clientes, arquitetos e construtores podem virtualmente percorrer e fazer ajustes de medição no modelo 3D sem a necessidade de acessar um software CAD. Os problemas podem ser controlados e revisados diretamente do canteiro de obras.

Concepts (iOS)

Guardar no Meu ArchDaily

Concepts

Concepts

Concepts app é basicamente um caderno de croquis digital, porém, turbinado. Com seu sistema em 64 bits e vários núcleos de renderização, o aplicativo é flexível, preciso e extremamente responsivo. Concepts é perfeito para arquitetos, ilustradores, designers de produtos e artistas visuais que gostam de explorar sua criatividade e esboçar tudo aquilo que lhes vem à mente, sem renunciar aos detalhes mais precisos.

Morpholio Trace (iOS)

Guardar no Meu ArchDaily

Morpholio Trace

Morpholio Trace

Um veterano nas listas dos “melhores aplicativos” do Archdaily, o Morpholio é o software dos sonhos para qualquer arquiteto e designer. O aplicativo possui uma ferramenta de desenho exclusiva que permite aos usuários trabalhar com fluidez em todo o processo de projeto. Além de permitir esboços bastante simples, é possível desenhar e desenvolver idéias com muita precisão, o aplicativo permite revisões em arquivos PDF e imagens e está continuamente adicionando novos recursos para tornar o processo de design muito mais fácil – incluindo uma grande novidade que deverá estar disponível em breve, a realidade aumentada.

Scala Architectural Scale (iOS)

Guardar no Meu ArchDaily

Scala Architecture Scale

Scala Architecture Scale

Um aplicativo de medição ilimitado, o Scala Architectural e o Engineering Scale permitem operar medições precisas em desenhos impressos de qualquer escala. O aplicativo é simples e fácil de usar, contando com escalas de arquitetura, engenharia e tantas outras, inclusive desconhecidas.

Sunseeker (iOS/Android)

Guardar no Meu ArchDaily

Sunseeker

Sunseeker

O seu nome já diz tudo. O “Sunseeker” fornece uma câmera em realidade aumentada com uma bússola plana para rastrear o percurso do sol, seus intervalos de horas e os solstícios de inverno e verão. Entre seus muitos recursos, o aplicativo usa um GPS e um magnetômetro para encontrar a posição e o caminho corretos da sua localização atual, permitindo ainda escolher qualquer ponto na Terra e acessar todos os seus detalhes, incluindo a elevação máxima do sol. O aplicativo não é apenas ideal para arquitetos, mas também é adequado para fotógrafos, avaliadores de imóveis, instaladores de painéis solares, jardineiros e todos os amantes do grande astro (levando seu bronzeamento natural a outro nível!).

Fonte:www.archdaily.com.br