Confira os lançamentos da Netflix para o mês de setembro/18

The Netflix Inc. app is displayed for a photograph on a television in Tiskilwa, Illinois, U.S., on Friday, July 8, 2016. Netflix is scheduled to report quarterly earnings on July 18. Photographer: Daniel Acker/Bloomberg

A Netflix divulgou uma lista com nomes de filmes, séries e documentários que vão atualizar o sistema de streaming da empresa global no mês de setembro 18. Algumas das novidades já estão em exibição como a série animada “(Des)encanto” — do mesmo criador de Os Simpsons e Futurama —, o docussérie “Seguindo os Fatos”, que acompanha os repórteres do BuzzFeed e o filme “Para Todos os Garotos que já Amei” (confira a lista abaixo).

Não para por aí. Entre os lançamentos está o primeiro filme do ” Homem-Formiga” e a sequência 1 e 2 dos filmes animados “Hotel Transilvânia”. Para quem gosta de séries, estão previstas também novas temporadas das séries “Punho de Ferro”, “DC’s Legends of Tomorrow” e “BoJack Horseman”.

Já em exibição
– (Des)encanto: 1ª Parte
– Mágica para a Humanidade: 1ª Temporada
– Reforme na baixa, fature na alta: 1ª Temporada
– Ultravioleta: 1ª Temporada
– A Câmara 36 de Shaolin
– Big Fish & Begonia
– Hunter x Hunter: Phantom Rouge
– O Autor
– Para Todos os Garotos que Já Amei
– Party Monster: Que Fim Levou Slizzard?
– Raajneeti
– Yoo Byung Jae: Discomfort Zone
– O Atirador (1 novo episódio, total de 27)
– Spirit – Cavalgando Livre: 6ª Temporada
– Sanz: Lo que fui es lo que soy
– Pinte de Açafrão
– Prueba de actitud
– The Investigator: A British Crime Story (3 novos episódios, total de 7)
– Christine – O Carro Assassino
– Mulher Infernal
– O crime do Padre Amaro
– Vampiros
– Better Call Saul (1 novo episódio, total de 33)
– Homens com Missão (1 novo episódio, total de 77)
– Life (2 novos episódios, total de 6)
– Os 10 Anos de Peter Capusotto: 1ª Temporada
– Os Cinco Venenos de Shaolin
– Sicario: Terra de Ninguém
– Explicando (1 novo episódio, total de 16)
– Marlon: 2ª Temporada
– Deadwind: 1ª Temporada
– Great News: 1ª Temporada
– Seguindo os Fatos: 1ª Parte
– A chave mestra
– Chesapeake Shores (1 novo episódio, total de 21)
– Heartland: 11ª Temporada
– Mr. Sunshine – Um Raio de Sol (2 novos episódios, total de 12)
 
>> 1º de setembro
 Resultado de imagem para A Catedral do Mar 
– Carol 
– A Catedral do Mar 
– Como Defender um Assassino: Temporada 4
– Grey’s Anatomy: Temporada 14 
– Marvel – Inumanos: Temporada 1 
– Gotham: Temporada 4 
– The Last Kingdom: Temporada 2 
– Disney/Pixar – Divertida Mente 
– Papa Francisco, Conquistando Corações 
– Marvel – Homem-Formiga 
– Aprendendo Com a Vovó 
– Thelma 
– O Protetor 
– Perigo na Escuridão 
– Um Dia Inesquecível 
 
>> 2 de setembro
 
– Hunter x Hunter: A Última Missão 
Resultado de imagem para Hunter x Hunter: A Última Missão 
 
>> 3 de setembro
 
– Ash vs. Evil Dead: Temporada 2
 
>> 7 de setembro
 
– Marvel – Punho de Ferro Temporada 2 
– Atypical: Temporada 2 
– Sierra Burgess é uma Loser 
Resultado de imagem para Sierra Burgess é uma Loser 
– A Mulher Mais Assassinada do Mundo 
 
>> 9 de setembro 
 
– 12 Horas Para Sobreviver: O Ano da Eleição 
– Jason Bourne 
– Popstar: Sem Parar, Sem Limites 
 
>> 10 de setembro
 
– Supergirl: Temporada 3 
 
>> 11 de setembro
 
– DC’s Legends of Tomorrow: Temporada 3 
– O Banqueiro da Resistência 
 
>> 12 de setembro
 
– Na Própria Pele – O Caso Stefano Cucchi 
– Jane: A Mãe dos Chimpanzés 
 
>> 14 de setembro
 
– O Príncipe Dragão
– Ingobernable: Temporada 2 
– BoJack Horseman: Temporada 5 
– Vândalo Americano: Temporada 2 
– As Casas Mais Extraordinárias do Mundo: Temporada 2 Parte A 
– Super Monstros – Festa Monstruosa 
– Boca Juniors Confidencial 
– Gente de Bem 
 
>> 15 de setembro
 
– Brooklyn 
 
>> 18 de setembro
 
– Sepultura Endurance
– Chet Baker: A Lenda do Jazz 
 
>> 21 de setembro
 
– Felicidade por um Fio
– Caso de Polícia
 
>> 25 de setembro
 
– Marvel – Fugitivos: Temporada 1 
– Era uma vez: Temporada 7 
 
>> 28 de setembro
 
– Duas Catalunhas 
– Noite de Lobos
– The Good Place 
– Somewhere Between 
 
>> 30 de setembro
 
– Hotel Transilvânia 2 
 
>> Fora do catálogo
– 3rd World Cops 2
– A Hora do Espanto
– As aventuras de Peabody e Sherman
– Ghost Hound
– Invictos
– La Hipocondríaca
– Maz Jobrani: I’m Not a Terrorist, But I’ve Played One on TV
– NatureVision TV

COMO A CASA INTELIGENTE VAI MUDAR A SUA VIDA

A tecnologia de casa inteligente será um dos negócios mais cobiçados na construção civil brasileira no próximos anos. Saiba porque investir desde já! Você já parou para pensar o quanto a tecnologia evoluiu nos últimos anos?  Há cinco anos, muitos brasileiros dependiam hotéis, táxis ou precisavam ligar para o restaurante para pedir seu lanche favorito. Hoje, tudo pode ser feito direto do smartphone!

Neste processo de evolução, a construção civil também não ficou para trás. Além da contenção de desperdício e o uso de materiais “verdes”, destacamos a expansão de soluções de casa inteligente. As soluções de automação residencial são tecnologias para o gerenciamento autônomo do consumo energético e comando de equipamentos automatizados.Através de sistemas de energia integrados a dispositivos de automação – módulos, relés e cabeamentos – e infraestrutura de rede, todo um imóvel se torna controlável por seus moradores.O que era tema de ficção científica, já possui relevância comercial no Brasil. Segundo a Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside), o mercado pode ter potencial de 1,8 milhão, uma cifra crescente com a expansão da automação wireless.

Todo este potencial tem justificativa! Devido às suas características intuitivas , os recursos de uma casa inteligente são oportunidades de ouro a serem exploradas por futuros instaladores.

Que tal se inteirar sobre o assunto? Nesta postagem, destacamos oportunidades que farão as casas inteligentes serem uma tendência irreversível na construção civil.

COMO A CASA INTELIGENTE VAI MUDAR A SUA VIDA

 AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL: MELHORIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA E ILUMINAÇÃO

otimização do gasto em energia elétrica é um fator importante para a atração de consumidores interessados em smart home.

Sem dúvidas, a sustentabilidade não é apenas questão de estilo de vida, mas contenção de despesas de energia em casa. Recentemente, os repetidos reajustes de bandeiras tarifárias e intensos ciclos de estiagem, mostraram a importância do consumo eficiente.

Hoje, as residências respondem por 30% do consumo energético no Brasil (EPE), número que se manteve crescente, mesmo com a redução total da carga consumida.

Embora esta tendência seja um indício de retomada econômica, é preciso ressaltar que o desperdício ainda responde por 10% deste volume. Um imenso potencial a ser contido com métodos eficientes de casa inteligente!

As soluções em automação dão grande autonomia para a iluminação, em especial, pela dimerização de lâmpadas. Com instalação de dispositivos para controle de variação de luminância em casa, é possível uma redução de grande impacto no total.

Além disso, este recurso de casa inteligente otimiza seu funcionamento em relação à luz externa, economizando também em climatização e com uso de cortinas motorizadas.

Os instaladores e construtores só tem a ganhar com estas soluções domóticas. Além da contenção de custo, este método propicia a personalização estética, trazendo beleza e unicidade em cada projeto luminotécnico instalado.

COMO A CASA INTELIGENTE VAI MUDAR A SUA VIDA

DIFERENCIANDO SUA OFERTA COM A CLIMATIZAÇÃO INTELIGENTE

climatização tem enorme importância para indústria nacional, alcançando um lucro anual estimado em R$ 32 bilhões. Diretamente ligado à ambientação em casa inteligente, estes sistemas estão ganhando cada vez mais atenção de instaladores.

Não obstante, manteve estabilidade de vendas nos últimos anos. Agora, a expectativa é que as vendas aumentem em 20% em relação à 2016, segundo a Associação Sul-Brasileira de Refrigeração em Ar-Condicionado, Aquecimento e Ventilação (ASBRAV).

Estimulado pelas altas temperaturas dos últimos anos, o interesse do usuário favoreceu a entrada de novos profissionais no setor, o que criou um cenário de saturação.

A quantidade crescente de empresas têm reduzido cada vez mais o faturamento com instalação. Para agravar este cenário, os instaladores técnicos tem sofrido perda de valor de seu serviço por profissionais sem qualificação.

Neste cenário, a diferenciação é essencial para que as melhores empresas sobrevivam, o que pode ser encontrado em uma solução de climatização inteligente.

Os ar-condicionados cumprem papel importante em uma casa inteligente, através da associação de sensores e emissores infravermelho. Fáceis de automatizar, reagem autonomamente à alteração de temperatura em imóveis, economizando energia elétrica.

Para comandá-los, nada dos velhos controles remotos: os aparelhos são ajustados de forma remota através de aplicativos para tablets e mobile. Muito mais interessante ao usuário, que se torna apto a acionar estes aparelhos onde quer que esteja.

A utilização de automação com certeza agregará valor único aos negócios de climatização nos próximos anos.

COMO A CASA INTELIGENTE VAI MUDAR A SUA VIDA

EXPLORE O MERCADO DE ÁUDIO E VÍDEO COM AUTOMAÇÃO

Os recursos de automação de áudio e vídeo tem grande aceitação pelo consumidor, pois unem o conforto e controle da da casa inteligente direto ao smartphone.

Primeiro, por que o consumo de aparelhos de áudio e vídeo já é recorrente pelo mercado interno, especialmente televisores, videogames e sistemas básicos de home theater.

Do ponto de vista de interfaces, maioria dos consumidores já está adaptada à sua usabilidade e a tecnologia de aplicativos. Ao todo, o Brasil possui cerca de 280 milhões de conectáveis – tabletslaptops e smartphones – segundo a Fundação Getúlio Vargas.

A automação de áudio e vídeo tem um cenário propício para o sucesso de instaladores, sobretudo com a popularização de soluções de automação sem fio, cada vez mais acessíveis.

Estes sistemas basicamente dispensam obras na estrutura do imóvel, sendo necessário apenas o investimento no alcance da rede wireless do consumidor. Assim, o serviço de instalação se torna fácil e adaptável aos mais diversos tipos de projetos de imóveis.

Para automatizar todo o áudio e vídeo, também são utilizados emissores infravermelhos e learning de controles remotos. Com poucas configurações nos aplicativos de automação – feito pelo instalador ou o próprio cliente – os aparelhos tornam-se controláveis no mobile.

Logo, a automação residencial se torna intuitiva mesmo para profissionais com pouca experiência em Tecnologia da Informação, como arquitetos e decoradores!

Este é um excelente complemento para instalações de salas dedicadas ao áudio e vídeo, pois habilita o controle integrado de aparelhos, iluminação e climatização em conjunto.

O que pode ser interessante para explorar outros projetos não residenciais, como auditórios e espaços com áudio e vídeo dedicado, como lojas e templos religiosos.

SEGURANÇA RESIDENCIAL: UM SETOR CONSOLIDADO!

Os sistemas de segurança são a tecnologia em casa inteligente mais estabelecidas no Brasil. Contando com mais de 28 mil profissionais no setor (ABESE), possui demanda crescente frente aos graves dados de insegurança pública registrados.

O roubo de casas têm sido uma preocupante ocorrência para polícias estaduais, com o surgimento de organizações especializadas nestes crimes. Para ter uma ideia, a Secretaria de Segurança de São Paulo registrou aumento de invasões de 172% em 2017 na capital paulista!

Muitas invasões acontecem em condomínios e casas, aproveitando brechas e momentos de ausência prolongada, como férias de verão e viagens. Situações que podem ser prevenidas, com uma casa inteligente integrada com automação residencial!

Hoje, os integradores contam com fabricantes com produtos wireless, integrados a alarmes, sensores de monitoramento, câmeras IP e DVR. O ponto negativo, no entanto, é que muitos profissionais optam pelas mesmas marcas, diminuindo o valor de sua instalação.

Existe também, outro desafio neste cenário: as empresas precisarão diferenciar mais sua oferta, de forma que seja atrativa para clientes que preferem uma instalação autônoma.

Muitas empresas podem contornar este problemas, optando por soluções de casa inteligente. A automação é uma oportunidade lucrativa e assertiva para estas empresas, por alguns fatores exclusivos:

  • Instalação elétrica e rede similar aos sistemas de segurança wireless;
  • Integração com câmeras IP, alarmes e sirenes;
  • Recursos complementares, como persianas externas e simulação de presença.

Com a utilização de uma solução de casa inteligente completa, muitos instaladores terão acesso ao mercado de smart home oferecendo produtos contextuais para sua carteira de clientes.

Quem são os colecionadores de Mustang e como você pode se tornar um

Lançado em 1964, o Ford Mustang passou por uma transformação nas últimas cinco décadas. Deixou de ser um “muscle car” para se tornar um ícone da cultura pop. Quem não gostaria de ter um Eleanor, um Bullitt na garagem? Bom, muitos caras gostariam – e acabam dedicando suas vidas a isso. Bem-vindo ao mundo dos colecionadores de Mustang.

“É um grupo muito heterogêneo, vai desde funcionário público até juiz, empresário. A única coisa em comum é que quando todos se encontram, eles só falam de carro”, brinca Luiz Carlos Perosa, fundador do Clube do Mustang de São Paulo, entidade que organiza eventos para reunir donos e entusiastas.

Há outros dois clubes do tipo no Brasil, no Paraná e em Minas Gerais. Juntos, os eles fazem uma espécie de catalogação informal dos carros dos seus membros  – quem tem qual modelo, de qual ano, etc. Mesmo assim, o número de Mustangs de todas as épocas circulando no país é incerto. Segundo a Ford, são dois mil carros regularizados no Registro Nacional de Veículos Automotores (o famoso RENAVAM), mas como ele só foi criado em 1990, é bem provável que existam mais alguns que viraram sucata ou nunca foram registrados. Não são muitos, então pode ser difícil ter um Mustang para chamar de seu.

Há um caminho mais fácil, que é comprar um novo. A Ford agora traz os modelos fresquinhos direto dos EUA, onde todos são fabricados, e vende oficialmente em suas concessionárias – o modelo 2018 sai a partir de R$ 299 mil.

E há o caminho mais difícil, que é comprar um antigo.

Para começar, é preciso ter um bom dinheiro guardado, de R$ 100 mil (por um carro encontrado nos EUA em bom estado e importado para cá) a R$ 350 mil (por um completo e original no Brasil), ou muita disposição. “São duas maneiras de encontrar um Mustang antigo”, diz Marcelo Simionato, dono de seis – incluindo um Fastback 1968, mesmo modelo do Bullitt. “Procurar algum dos clubes e perguntar se tem alguém vendendo ou frequentar as feiras. Mas aí tem que ter olho clínico, tem muito carro maquiado sendo vendido”, alerta.

Membro do Clube do Mustang, o empresário Marcelo simionato é dono de seis (Foto: Carlos Bessa)

Uma vez com o carro na garagem, o segredo é a manutenção preventiva. “Faço quase uma revisão eterna – hidratar o couro, polir, levar para passear”, conta Simionato. Há ainda quem prefira o faça-você-mesmo total, como Marcos Godoy, dono de metalúrgica que, nas horas vagas, fabrica peças para seu próprio Mustang e para os de amigos do clube. “Minha mulher fala que vai se divorciar porque eu passo a madrugada de mecânico nos carros dos amigos, mas, na verdade, fico até bravo quando pedem para outra pessoa fazer a peça e depois vem me pedir pra consertar”, diz.

Automação residencial oferece muitas vantagens ao seu projeto

Se existe uma forte tendência que a evolução tecnológica implementou na vida das pessoas, é a constante busca por meios de automatizar tarefas cotidianas com o intuito de economizar tempo e esforço. Uma forma de provar como essa tendência está integrada às nossas vidas, é a variedade de meios de se utilizar serviços bancários atualmente. Com um smartphone e acesso à internet, em segundos é possível executar uma tarefa que antigamente tomaria horas de seu dia.

A automação residencial não é diferente, pois otimizar uma série de tarefas comuns em uma arquitetura residencial ou empresarial, como aspectos ligados à segurança e conforto, que normalmente ficariam a cargo dos moradores. Continue lendo para conhecer os principais benefícios da automação comercial.

Automação residencial oferece muitas vantagens ao seu projeto

Automação residencial oferece muitas vantagens ao seu projeto

Segurança

A automação residencial pode elevar significativamente o nível de segurança de uma casa ou empresa. Por exemplo, é possível programar para que ações cotidianas sejam realizadas automaticamente, como a ativação de luzes externas ou internas, rádios e televisões, para causar a impressão de que há pessoas no ambiente, mesmo que não haja ninguém.

Além disso, a casa ou comércio, pode ter todo o seu sistema de segurança anti roubos e assaltos integrados a um sistema de automação residencial. O programa pode ser ativado ou desativado com acesso a um sistema de biometria, no qual apenas a assinatura de digital ou íris poderá fornecer acesso ao interior.

Conforto

Pense na possibilidade de após um longo dia de trabalho, chegar em sua casa com um ambiente perfeito lhe esperando: Iluminação equilibrada, música agradável e temperatura ideal.

A automação residencial possibilita que tudo seja programado com antecedência, como o acionamento do ar-condicionado, home theater, as lâmpadas que você designar e até mesmo a pré-definição de uma programação musical adequada. O que também pode ser muito útil na valorização de ambientes comerciais como restaurantes, boutiques ou lojas.

Conveniência e acessibilidade

Começou a chover, você está fora de casa e sabe que as persianas ou janelas de um cômodo ficaram abertas? Há uma pessoa na família que tem necessidades especiais e não sabe lidar com aparelhos eletrônicos?

A automação residencial permite que você tenha controle de cada detalhe em sua casa sem necessariamente estar presente, pois também fornece acesso remoto por dispositivos portáteis, como smartphones e tablets.

Automação residencial oferece muitas vantagens ao seu projeto

Economia

Por meio de fotossensores ou pré-programação, as luzes da casa podem ser ajustadas automaticamente mediante a intensidade da iluminação natural ou horário do dia, evitando o desperdício de eletricidade com lâmpadas acessas sem necessidade.

Além disso, um sistema de automação residencial eficiente, permite o controle de intensidade das luzes, que proporciona não somente um ambiente mais agradável, como também uma economia de eletricidade perceptível nas contas de consumo.

Valorização

Além de todos os benefícios da automação comercial, um imóvel que é integrado a um dos maiores avanços tecnológicos da atualidade e que pode literalmente ser programado na palma de sua mão, possui um grande diferencial imobiliário. Em uma possível futura venda, esse diferencial irá valorizá-lo, aumentando significativamente seu valor venal.

Em outras palavras, automação residencial não se trata apenas de aspectos associados ao conforto, segurança e comodidade, pois também pode ser considerada como um investimento. O que achou dos benefícios da automação residencial para um projeto de arquitetura? Compartilhe sua opinião nos comentários!

Home Theater: o que você precisa saber antes de fazer um projeto

Ter uma sala de cinema em casa passou a ser o sonho de muita gente. E, hoje, com a modernização dos equipamentos e as novidades tecnológicas disponíveis no mercado, esse passou a ser um sonho possível.

Na hora de apresentar um projeto de home theater, arquitetos e decoradores precisam salientar como uma sala com conforto e aparelhagem de qualidade podem acrescentar requinte e inovação à casa dos clientes. Para ajudar a entender todos os processos de instalação de um home theater, listamos tudo o que não pode faltar no projeto. Confira!

O que você precisa saber antes de fazer um projeto de Home Theater

Projeto Home Theater em Santos - Arquiteta Carla Felippi

1. Custos na ponta do lápis

Se um projeto de home theater será incluído nos planos de reforma ou construção da casa, é importante que o orçamento seja bastante expandido. Isso é indispensável na hora de traçar o gerenciamento da obra. Coloque todos os gastos na ponta do lápis, já que, além de toda a aparelhagem, como TV e sistemas de som, o espaço receberá isolamento acústico, móveis confortáveis, iluminação especial, entre outros detalhes.

2. Planejamento

O ideal é que o home theater seja instalado durante a obra da casa, para que toda a fiação e alto-falantes sejam distribuídos e não fiquem aparentes, integrados com naturalidade ao ambiente.

É preciso ter em mente que a posição do expectador em relação à TV e ao som faz toda a diferença. Por isso, é importante planejar tudo de acordo com o tamanho do cômodo. Quanto menor o espaço, menor será a tela da TV, por exemplo.

3. Isolamento acústico

Uma boa acústica é indispensável! Portanto, invista em elementos que vão complementar o som da aparelhagem: cortinas de tecidos mais densos, carpetes ou tapetes e painéis de madeira nas paredes garantem que o som fique ainda mais limpo.

Evite o uso de vidros e espelhos, pois eles provocam eco. Nos acabamentos, fuja de mármores e porcelanatos, pois superfícies muito planas e rígidas também refletem o som e interferem na qualidade.

 Home Theater: o que você precisa saber antes de fazer um projeto

4. Conforto sempre

Se você vai criar uma sala de cinema particular, não pode se esquecer do conforto de quem vai usá-la. Os sofás e poltronas precisam ser confortáveis. Modelos em “L”, para sofás, são peças muito recomendadas, assim como poltronas reclináveis.

Além disso, é importante que não nada atrapalhe quem está usando o espaço. Portanto, posicione os móveis de forma que a circulação seja feita em torno e nunca entre o conjunto formado pelo televisor e a “plateia”.

5. Escurinho do cinema

Luz indireta é a solução. Invista em uma iluminação de baixo para cima, à meia altura, controlada por dimmers para regular a intensidade. Assim, é possível criar um clima de cinema sem estar, necessariamente, no escuro total.

Outra preocupação é evitar reflexos no televisor. Por isso, uma opção é o uso de luminárias e abajures estrategicamente posicionados para tornar o ambiente relaxante e agradável.

 Home Theater: o que você precisa saber antes de fazer um projeto

6. Equipamentos — cada coisa em seu lugar

Não dá para esquecer todos os fios e equipamentos que um home theater tem — TV, DVD, transmissor de TV a cabo. E eles precisam de espaço para ventilação. Por isso, é indispensável um móvel que consiga abrigar cada coisa em seu lugar, facilitando o acesso. Além disso, o sistema de som será todo distribuído no ambiente. O ideal é que as caixas de som e amplificadores tenham lugar fixo na sala e não sejam mudados de lugar, sendo posicionados de modo a ter o máximo de qualidade de som.

7. Home theater e além

Um home theater bem montado pode fazer parte de um projeto de automação residencial que ajude a integrar diversos equipamentos, fazendo com que eles conversem entre si: luzes da casa toda, cortinas automáticas, ar-condicionado, equipamentos de segurança.

Por meio de um aparelho especial de automação, conectado à internet, torna-se fácil estabelecer uma ligação entre os aparelhos eletrônicos e controlá-los a distância. Isso é o que há de mais moderno na arquitetura atualmente.

Agora que você já sabe como criar um projeto de home theater vanguardista e atual, conheça um pouco mais sobre automação e faça de seus projetos de arquitetura uma referência em inovação e modernidade.Consulte as soluções da Smart.touch

Arquiteto. engenheiro ou um designer de interiores: quando contratar cada um

Na hora de reformar ou construir sua casa, há quem fique na dúvida se deve contratar um arquiteto, engenheiro civil ou um designer de interiores. É compreensível, já que essas três áreas têm mesmo semelhanças e se complementam em todos os aspectos. Muitas vezes é possível até contratar os dois profissionais para trabalharem juntos no mesmo projeto.

O fato é que quando fala-se em projetar, executar e fiscalizar obras, tanto arquiteto quanto engenheiro civil estão envolvidos. Mas há diferenças pontuais nas disciplinas do curso de cada área que você vai conhecer agora. Assim ficará mais claro qual é a diferença entre engenheiro e arquiteto e você saberá também quando contratar cada um deles para o seu projeto.

Arquiteto e engenheiro ou designer de interiores: quando contratar cada um

​O que faz um engenheiro civil?

​O que faz um engenheiro civil?

Para entender melhor qual a diferença entre arquiteto e engenheiro é interesse começar pelo que é aprendido nos cursos dessas profissões. No curso de engenharia civil as disciplinas que envolvem cálculo possuem uma maior carga horária. Isso ocorre porque o curso objetiva preparar o engenheiro civil para lidar com projetos e cálculos de estruturas e sistemas complementares de edifícios, rodovias, pontes e também para o gerenciamento de obras.

Há ainda o estudo de desenho técnico, elétrica, hidráulica, geotécnica, administração, economia e outras disciplinas, entretanto, com menos aprofundamento às questões humanas. Esse é um ponto crucial na diferença de arquiteto para engenheiro.

Na prática, ou seja, quando se forma e está pronto para começar a atuar no mercado, o engenheiro civil vai lidar com todos os cálculos que aprendeu, conforme a área em que escolher trabalhar. Na sua relação com as obras arquitetônicas ele irá calcular o dimensionamento de cargas e esforços necessários para a realização dos projetos.

Sua função também é de contribuir com o trabalho de outros profissionais orientando sobre os projetos de sistema de água, esgoto, telefonia e eletricidade, além do gerenciamento de obras com alta complexidade, como é o caso das construções de estradas, ferrovias, barragens, viadutos, hidráulica fluvial e marítima.

Arquiteto. engenheiro ou um designer de interiores: quando contratar cada um

​O que faz um arquiteto?

No curso de arquitetura e urbanismo os futuros arquitetos aprendem sobre o planejamento de espaços, sejam privados ou públicos, envolvendo desde residências ao urbanismo, o paisagismo e a acessibilidade. Do externo ao interno, em cada detalhe.

A maior parte das disciplinas é voltada para a prática dos projetos e menos para os cálculos, como ocorre na engenharia civil. Mas quanto à teoria, a arquitetura se dedica ao estudo da história da arte, da ecologia, da antropologia, da semiótica, da topografia, da acústica e afins. Tudo isso para formar profissionais que sejam capazes de criar projetos de acordo com questões culturais, funcionais e estéticas, pensando nas necessidades do ambiente e das pessoas.

Embora não haja tanta carga horária voltada para os cálculos, o arquiteto também recebe embasamento técnico para que consiga definir a viabilidade de seus projetos ainda na fase da concepção.

Sendo assim, quando formado, a atuação do arquiteto vai envolver projetos residenciais, comerciais, corporativos, de traçados urbanos, comunicação visual, arquitetura industrial, mobiliário, além de lidar com restauro histórico, parcelamentos de solo e planos diretores.

Ele também pode atuar analisando condições de ventilação e iluminação das edificações, determina os materiais, os pontos de sistemas e a paginação dos revestimentos das obras.Em cada uma dessas variações do trabalho do arquiteto ele sempre vai estar envolvido com as pessoas, suas preferências e necessidades, logo no início.

Arquiteto e engenheiro ou designer de interiores: quando contratar cada um

 

​Em que locais cada profissional trabalha?

Tanto engenheiros quanto arquitetos podem – e é bem comum – abrir seu próprio escritório, o que muitas vezes envolve sociedade entre essas duas áreas para que possam oferecer um serviço mais completo.

Mas no mercado há diversos segmentos que podem contratar cada um desses profissionais, como construtoras, órgão públicos, incorporadoras, escritórios e indústrias. Há empresas que necessitam apenas dos engenheiros, enquanto outras vão atuar apenas com arquitetos ou ambos.

Como já mencionado, os trabalhos se complementam e é assim que projetos de excelência se concluem, quando os profissionais sabem que podem usufruir do conhecimento um do outro sem necessidade de provar quem é melhor, afinal, são diferentes.

Todo arquiteto é um designer de interiores?

​Todo arquiteto é um designer de interiores?

Essa é outra questão que gera muitas dúvidas. O designer de interiores, que há algum tempo era chamado de decorador, tem a importante função de cuidar dos espaços internos de residências e ambientes corporativos e comerciais.

Atualmente o nome decorador tem caído em desuso, pois não representa da mesma forma tudo o que esse profissional realiza. Para que seu trabalho seja bem-feito ele precisa entender de estética, volumes, tamanhos, ergonomia, cores, iluminação, proporções, tendências e combinações.

Também é necessário que realize projetos de forma organizada, com planejamento e posterior execução, da mesma forma que um engenheiro ou arquiteto fazem. Só assim ele consegue entregar um resultado de excelência, que permite a interação harmônica entre as pessoas e espaços.

Sendo assim, todo arquiteto pode também ser designer de interiores, mesmo que para isso se especialize em um curso de design. Mas quem apenas estudou o design, que é um curso separado, não está apto a atuar na arquitetura com as mesmas competências, pois o curso tem um período menor de duração, envolvendo algumas matérias semelhantes com a arquitetura e outras focadas na parte de decoração e tudo o que envolve esse universo.

Os designers de interiores podem trabalhar por conta própria ou junto com os arquitetos e engenheiros, conforme o segmento de atuação. É comum que tenham parcerias ou sociedade para oferecer um serviço completo aos clientes.

​Qual desses profissionais contratar para projetar uma residência?

Agora que você já sabe qual a diferença entre engenheiro e arquiteto, e também já se inteirou sobre a função de um designer de interiores, precisa saber qual deles chamar na hora de projetar uma casa. A resposta é: todos.

No momento de fazer o cálculo da planta estrutural da residência vai ser necessário contratar um engenheiro, que vai assinar o projeto para que a prefeitura valide e aprove a construção. Conforme a complexidade do projeto poder ser ainda que outros engenheiros sejam necessários, como o hidráulico e o elétrico.

Depois, o arquiteto irá atuar no desenvolvimento da planta considerando o melhor aproveitamento do terreno, a distribuição dos cômodos, a funcionalidade da casa, bem como a ventilação e a iluminação, todos fatores cruciais para um bom resultado.

Ele fará uma planta de layout onde haverá a organização da elétrica, hidráulica e mobiliário.  Uma planta executiva com as dimensões e detalhes do acabamento. Cortes com altura do pé direito, telhado, forros e níveis. Também irá entregar todos os aspectos de como será o telhado e a fachada.

Então, depois dessa etapa ou junto com ela, poderá entrar o trabalho de um designer de interiores, mas é muito comum que o próprio arquiteto já ofereça esse serviço e entregue a planta com esses detalhamentos também.

LEIA TAMBÉM: ESTÁ NA HORA DE FAZER UM “UPGRADE”: DO HOME THEATER A AUTOMAÇÃO

Algumas vezes esses profissionais têm cada um a sua responsabilidade, mas trabalham no mesmo escritório, então é possível contratar uma empresa só, com todos os profissionais, deixando o processo mais prático para o cliente. Afinal, somente quando se envolve com uma obra é que se tem noção da quantidade de detalhes que vão surgindo ao longo processo, como novos investimentos, imprevistos, escolhas de materiais e muito mais.

O que vale mesmo é você poder contar com profissionais que lhe transmitam total confiança no que estão fazendo, pois vocês passarão um bom tempo juntos a partir do momento em que fechar um serviço.

Porque investir em uma sala de reunião com videoconferência

Descubra porque investir em uma sala de reunião com videoconferência pode ser mais interessante, eficiente e econômico para o seu negócio.  O que você faria se o seu desafio fosse encontrar formas de sua empresa ser mais produtiva durante o expediente?  Neste momento, esse é o grande desafio de muitos executivos. E um dos caminhos que eles têm buscado é o uso da tecnologia.  A tecnologia tem ajudado na produtividade das empresas e, por exemplo, no que diz respeito à execução de reuniões. Isso parece importante para você?

Porque investir em uma sala de reunião com videoconferência

Porque investir em uma sala de reunião com videoconferência

O mundo das reuniões: como a tecnologia pode simplificar seu dia a dia 

Às vezes, você gostaria de se dividir em dois só para fazer tudo que está em sua agenda? Então, imagine ter que atender a todos esses compromissos e ainda se preocupar com o deslocamento entre várias reuniões

Para a eficiência das empresas, lidar com essa situação é uma preocupação recorrente: como otimizar a experiência dos encontros e, ao mesmo tempo, tornar tudo mais rápido, prático e assertivo?

Você pode encontrar o caminho a partir da tecnologia de sua sala de reuniões. São esses recursos que, por exemplo, permitirão que sua empresa realize reuniões a distância com a mesma interação de um encontro presencial.

Porque investir em uma sala de reunião com videoconferência

O incrível mundo da sala de reunião

Ter uma estrutura capaz de fazer encontros online com qualidade é o melhor dos cenários. Como montar um ambiente adequado para as reuniões a distância? Afinal de contas, hoje, existem diversos sistemas que oferecem opções mais imersivas e dinâmicas. Entre elas, a videoconferência, com recursos para telepresença.

Criado como uma alternativa ao modelo de reuniões tradicionais, os sistemas via videoconferência têm cada vez mais focado na experiência do “encontro” para se diferenciar de outras formas digitais de comunicação.

Isso quer dizer que não é apenas a missão de conectar pessoas: a telepresença estimula a interação e a colaboração entre as equipes porque permite uma experiência real de reunião.

tecnologia de sua sala de reuniões

O que você ganha com um modelo de videoconferência?

Sabe aquela ideia de tornar o tempo de sua empresa mais útil? Com a videoconferência, a gestão corporativa ganha novas maneiras de otimizar o trabalho remoto ou o atendimento de clientes de forma mais colaborativa e direta. Sem falar da redução de custos com viagens e deslocamentos.

Para entender melhor, pense o seguinte: um executivo em viagem está gerando custos para a operação da empresa de diferentes formas – passagem, hospedagem, alimentação, transporte etc. Com a reunião online isso seria otimizado, certo?

O exemplo poderia ser outro, também: imagine que seu presidente precisa realizar um pronunciamento aos diretores e acionistas. Ao invés de marcar um encontro com todos em um mesmo local, sua companhia disponibiliza uma videoconferência, agregando agilidade e eficiência ao atendimento.

Som ambiente em casa: conheça os benefícios

Você sabia que a música alivia a ansiedade, promove o bom humor, cura a tristeza e as dores emocionais, nos motiva, melhora nosso sono e potencializa nosso desempenho para o trabalho e as tarefas domésticas?

É claro que todos nós gostamos de música, cada um com seu estilo e preferências, mas saber que ela proporciona tantas vantagens com certeza faz a gente ter vontade de ouvir ainda mais! Você já imaginou como seria bom ter um som ambiente em casa, para você ouvir suas músicas preferidas no conforto do lar? Sem dúvida o ambiente ficará mais confortável e agradável.

Você pode ouvir as músicas sozinho, mas também aproveitar as pequenas reuniões com os amigos para deixar esse encontro ainda mais animado. Mais do que isso, você pode organizar uma festa grande e aproveitar todos os benefícios do seu som residencial. Ele também pode ser útil para a área do churrasco, assim você e seus convidados escutam uma boa música enquanto apreciam as suculentas carnes que vão preparar.

Som ambiente em casa: conheça os benefícios

Existem algumas opções bem legais de sonorização residencial. Listamos duas delas para você escolher a que melhor te atende. Som ambiente em casa: conheça os benefícios

1 – Caixa de som de embutir

Uma alternativa bem interessante é ter caixa de som embutida no teto da sua casa. Ela fica bem discreta, pois a instalação pode ser feita atrás do forro, assim a caixa não fica aparente. Mas é possível embutir na parede, nos móveis ou em um painel. Tudo vai depender do seu gosto.

Existem modelos quadrados, retangulares e redondos e com diversas opções de potências. Além disso elas podem ter de 1 a 4 canais e por isso é possível que a sonorização seja feita em diversos ambientes da casa, assim você pode sair da sala para o quarto e depois ir ao banheiro tomar um banho relaxante sem precisar parar de ouvir sua música.

2 – Subwoofer

Subwoofer é uma caixa de som específica para reprodução em frequências baixas, aquelas de sons mais graves. Ele pode ser conectado ao notebook, smartphone e computador e alguns possuem entradas para MP3, MP4, iPod e USB. Esses equipamentos são potentes, possuem muita qualidade de som, são pequenos, leves e podem ser colocados em qualquer lugar da casa.

Existem os modelos passivos, que não dependem de alimentação própria de energia e não possuem amplificadores, recebendo o sinal de som já amplificado do aparelho que reproduz áudio, e os ativos, que possuem um amplificador dedicado, permitem ajuste mais fino do som e precisam de alimentação própria de energia.

 

A importância da iluminação na decoração

Quando iniciamos uma obra ou reforma em nossa casa, imediatamente procuramos por opções de móveis, revestimentos, cores e objetos decorativos para compor o ambiente. No entanto, você sabia que deixar o espaço bem iluminado é um dos pontos mais importantes a serem considerados em um projeto de interiores?

A luz de um espaço pode influenciar vários aspectos, como a nossa produtividade, concentração, motivação e, inclusive, na hora do nosso descanso. Para que o seu lar fique realmente incrível, você deverá prestar atenção na escolha da temperatura, intensidade e disposição das lâmpadas. Ficou interessado?

No post de hoje, você entenderá melhor sobre a importância da iluminação na decoração, além de encontrar dicas especiais para iluminar cada cômodo. Confira!

Afinal, qual a importância da iluminação na decoração?

Quando criamos um projeto de iluminação eficiente, temos a oportunidade não apenas de iluminar o espaço e suprir as necessidades dos moradores, mas inclusive, de valorizar o local e dar destaque aos detalhes da decoração. Um bom exemplo, é quando utilizamos a luz para ressaltar um quadro, uma escultura ou um vaso.

Outro fator proporcionado pela iluminação é em relação ao conforto em determinados ambientes. Áreas como o quarto ou a sala de estar precisam ser aconchegantes — e o projeto luminotécnico é um dos principais responsáveis por esse efeito!

Ao reconhecer a importância da iluminação na decoração, só temos a ganhar! Principalmente, porque, fazendo as escolhas adequadas economizamos mais energia. Isso porque, com um projeto eficiente, você escolherá as lâmpadas adequadas e utilizará apenas a quantidade exata de luz para cada espaço. Ou seja, você dará adeus para o desperdício de energia!

Quais são os diferentes tipos de iluminação?

Apesar de parecer uma tarefa simples, a iluminação requer atenção na hora de posicionar as lâmpadas. Atualmente, podemos citar três das principais formas de investir no seu projeto luminotécnico e causar diferentes efeitos para o cômodo. São elas:

Iluminação difusa

Iluminação difusa

Este tipo de iluminação é o mais simples e conhecido. Neste caso, a luz é centralizada no teto do cômodo, iluminando o ambiente por completo e de um modo uniforme. Pode ser aplicada em quartos e salas de estar.

Iluminação direta

Como o nome já diz, a luz pode ser posicionada diretamente sobre algum objeto específico no ambiente. Geralmente, são usados itens como luminárias ou abajures. É uma boa opção para espaços que necessitam de mais foco e concentração, como o office.

Automação residencial Iluminação indireta

Iluminação indireta

Diferente da anterior, a iluminação indireta não tem um único foco, sendo capaz de iluminar o espaço por completo. Basicamente, a sua luz reflete em uma superfície e, em seguida, se espalha pelo ambiente. O resultado é um efeito bastante intimista e, por isso, geralmente é utilizada nos quartos e salas de estar.

LEIA TAMBÉM 5 TECNOLOGIAS QUE NÃO PODEM FALTAR NA SUA CASA

Como iluminar corretamente cada ambiente?

Além de bela, a sua iluminação deverá ter uma característica imprescindível: funcionalidade. Por conta disso, você deverá posicionar as lâmpadas de um modo diferente, de acordo com as atividades que são realizadas em cada ambiente. Veja os pontos a seguir:

Sala de estar
Considerada uma área de convivência, a sala de estar pede por uma luz geral centralizada. Para isso, utilize lustres ou plafons. Para destacar um cantinho especial, como aquele da leitura, invista na iluminação direta. Neste caso, luminárias de chão ou arandelas são excelentes opções. Prefira também as lâmpadas amareladas para aumentar a sensação de conforto.

Automação residencial - iluminação cozinha

Cozinha
A cozinha é o local reservado para o preparo de refeições e, por isso, é necessário um projeto luminotécnico que aumente o nosso foco. A sugestão é apostar na iluminação geral e incluir outras fontes de luz direta no restante do ambiente. Este é o caso das bancadas e pia. Para esse ambiente, as lâmpadas frias são as mais indicadas.

Automação residencial - iluminação quarto

 

Quartos
Como você já sabe, o quarto é reservado para o nosso descanso. Para causar um efeito intimista e aconchegante, inclua uma única fonte de luz centralizada no teto. Já para as demais atividades do dia, os itens de iluminação direta podem te ajudar a focar pontos estratégicos. Arandelas, luminárias de chão e abajures são excelentes para essa finalidade.

Banheiro
No banheiro, o projeto luminotécnico deverá ser geral e com focos diretos de luz em pontos específicos, como no espelho, na bancada, no box e no vaso sanitário. Na iluminação geral, busque por lâmpadas fluorescentes e escolha entre os modelos tubulares ou compactos.

Home Theater: entenda as diferenças entre sistemas de áudio 2.0, 2.1, 5.1 e 7.1

Você já deve ter se deparado com produtos de áudio como home theater ou mesmo fones de ouvido que trazem sistemas de áudios com os números 2.0, 2.1, 5.1 ou mesmo 7.1. Esses valores se referem à quantidade de canais de áudio que derivam do aparelho. São essas configurações que irão determinar a qualidade do áudio que você irá ouvir e também como será sua experiência acústica, se mais próxima do som original ou não.

O primeiro sistema de áudio criado era monofônico, o que significa que todas as informações sonoras eram registradas por um único canal. Mesmo que o aparelho possuísse diversas caixas ligadas a ele, todas elas iriam emitir o mesmo conjunto acústico. Isso resulta na diminuição da noção espacial do som original, não sendo possível distinguir a origem espacial de cada elemento sonoro.

Foi então que, em 1957, foi formalizado o sistema estereofônico, ou como conhecemos 2.0, causando uma grande evolução na forma como a música era reproduzida no mundo todo. Esse modelo apresentava duas fontes sonoras distintas, esquerda e direita, e dividia o áudio em dois. A partir de então foi possível, por exemplo, reproduzir o som de uma guitarra pelo canal esquerdo, enquanto o canal direito emitia o som de uma bateria.

Home Theater: entenda as diferenças entre sistemas de áudio 2.0, 2.1, 5.1 e 7.1

 

Home Theater: entenda as diferenças entre sistemas de áudio 2.0, 2.1, 5.1 e 7.1

A maioria dos aparelhos de reprodução sonora ainda utiliza este sistema, mesmo que alguns avanços já permitam mais canais de áudio. Mesmo com novidades principalmente no cinema e em home theater, por exemplo, ainda é indicado para o consumidor comum o uso dos padrões 2.0 ou 2.1, pois eles possuem um ótimo custo-benefício. Entre os produtos do nosso dia a dia que utilizam esses padrões de canais estão as caixas de som de computadores e fones de ouvido de qualidade – mesmo aqueles mais baratos também usam o sistema estereofônico.

Para entender melhor como escolher o aparelho mais indicado para as suas necessidades é necessário compreender o que significam estes números. No caso do 2.0 e do 2.1, por exemplo, o número antes do ponto representa o número de canais de áudio comuns que o aparelho possui. Já o número depois do ponto (0; 1) representa a quantidade de subwoofers, ou seja, as caixas especiais que reproduzem apenas frequências extremamente graves (normalmente entre 20 Hz e 200 Hz).

A revolução do áudio e sua implementação no cinema foi possível com experimentos nas décadas de 1970 e 1980 com o padrão 5.1, até que o modelo ganhasse mais forma. Com o 5.1 é possível ligar cinco canais de áudios distintos no dispositivo e aumentar a sensação de um ambiente sonoro real para o ouvinte. Com este modelo, é possível ter diferentes percepções espaciais, como um tiro vindo de um lado, o cavalgar de um cavalo do outro e um sussurro de um terceiro ponto. O 5.1 também possui um subwoofer para reprodução de frequências graves.

Neste caso, não é apenas a qualidade e canais do áudio que irão influenciar a experiência do ouvinte, mas a disposição das caixas de som também terá um papel fundamental. O ideal é que o ouvinte fique no centro da sala onde será reproduzido o som, com uma caixa a sua frente, uma de cada lado (direita e esquerda), duas atrás (direita e esquerda) e o subwoofer que pode ficar em diferentes pontos.

Home Theater: entenda as diferenças entre sistemas de áudio 2.0, 2.1, 5.1 e 7.1

Com essa disposição do sistema, o ouvinte poderá acompanhar a passagem do som da direita para a esquerda, por exemplo, de um trem sob os trilhos. A disposição permite recriar uma contextualização sonora para que o ouvinte tenha uma experiência semelhante a que teria caso estivesse realmente vivendo aquela situação.

Caso deseje investir em um sistema mais potente como o 5.1 ou 7.1, é necessário avaliar antes se a potência do aparelho corresponde ao tamanho da sua sala. O cômodo precisa ser grande, pois as caixas de som devem ficar a uma distância de um metro da televisão e do ouvinte.

O home theater neste caso é mais indicado para pessoas que gostam da experiência cinematográfica e desejam que ela seja mais real com auxílio do áudio, devendo considerar na conta o espaço disponível. Esses sistemas têm passado por um barateamento que permite que sejam cada vez mais difundidos, inclusive com sistemas de até 7.2 canais, equipados com dois subwoofeers para aumentar a pressão oriunda das frequências mais graves.